Justiça dos EUA culpa socialite britânica por casos de abuso sexual de menores

 

Ghislaine Maxwell ao lado do ex-namorado Jeffrey Epstein
Ghislaine Maxwell foi apontada culpada em acusações de tráfico sexual de menor, transporte de menor com a intenção de se envolver em atividade sexual criminosa e conspiração. Ghislaine Maxwell ao lado do ex-namorado Jeffrey Epstein. Foto: Albanpix/Shutterstock. Lauren del Valle/Steve Almasy/Ray Sanchez da CNN

Um júri em um tribunal federal de Nova York considerou a socialite britânica Ghislaine Maxwell culpada em cinco das seis acusações relacionadas ao seu papel nos casos de abuso sexual de Jeffrey Epstein a meninas menores de idade. Os crimes ocorreram entre 1994 e 2004.

Maxwell, 60, foi considerada culpada de cinco acusações federais: tráfico sexual de menor, transporte de menor com a intenção de se envolver em atividade sexual criminosa e três acusações relacionadas de conspiração.

Ela foi absolvida sob a acusação de atrair uma menor a viajar para se envolver em atos sexuais ilegais.

Maxwell, que agora pode pegar até 65 anos de prisão, não mostrou nenhuma reação quando os veredictos foram lidos. A juíza Alison Nathan não definiu uma data para a sentença.

“O caminho para a justiça foi longo demais. Mas, hoje, a justiça foi feita”, disse o procurador Damian Williams em um comunicado. “Quero elogiar a bravura das meninas — agora mulheres adultas — que saíram das sombras e entraram no tribunal. Sua coragem e disposição para enfrentar o agressor tornaram esse caso e o resultado de hoje possíveis.”

O júri, composto por seis mulheres e seis homens, deliberou por cerca de 40 horas em partes de seis dias.

Os promotores argumentaram que Maxwell e Epstein conspiraram para estabelecer um esquema para atrair meninas para relacionamentos sexuais com Epstein de 1994 a 2004 em Nova York, Flórida, Novo México e nas Ilhas Virgens dos Estados Unidos.

Quatro mulheres testemunharam durante o julgamento que Epstein abusou delas e que Maxwell facilitou o abuso e às vezes também participou dele.

Sua defesa, entretanto, disse que ela era um “bode expiatório” para as ações de Epstein e atacou as memórias e motivações das mulheres que dizem ter sido abusadas sexualmente.

Os advogados de Maxwell estão trabalhando em um recurso, disse o advogado Bobbi C. Sternheim.

“Acreditamos firmemente na inocência de Ghislaine. Obviamente, estamos muito desapontados com o veredicto”, disse Sternheim, acrescentando que sua equipe acredita que Maxwell ainda será justificado.

O julgamento, que começou em 29 de novembro, alternou entre testemunhos perturbadores de vítimas de abuso sexual e testemunhos esclarecedores sobre algumas das conexões de Epstein com algumas celebridades de alto perfil.

Epstein, que se confessou culpado em 2008 de acusações estaduais de prostituição, foi indiciado por acusações federais de tráfico sexual em julho de 2019, mas morreu por suicídio na prisão um mês depois. Maxwell, sua confidente e ex-namorada, foi preso um ano depois e está na prisão desde então.

Resta saber se outros serão processados. O analista jurídico da CNN Elie Honig ex-promotor do distrito onde Maxwell foi julgado, disse que não se tratou de uma operação para duas pessoas.

Ele apontou para processos civis que vinculam outras pessoas ao abuso. “Acho que os promotores têm a obrigação real de cavar até o fundo e levar qualquer pessoa que possa ter feito parte disso à justiça”, disse.

Maxwell também enfrenta duas acusações de perjúrio pendentes relacionadas a um depoimento civil em 2016.

A socialite Ghislaine Maxwell
A socialite Ghislaine Maxwell / Foto: Laura Cavanaugh/Getty Images

O que aconteceu no julgamento

O caso da promotoria se baseou principalmente em quatro mulheres com histórias pessoais do suposto papel de Maxwell na facilitação do abuso de Epstein.

Jane, testemunhando sob um pseudônimo, disse que Maxwell organizou massagens sexuais com Epstein e às vezes se juntou ao abuso. As acusações de sedução — da qual Maxwell foi absolvido — e transporte referem-se apenas ao testemunho dela.

Carolyn testemunhou que quando ela tinha 14 anos, Maxwell tocou seus seios, quadris e nádegas e disse que ela “tinha um corpo ótimo para Epstein e seus amigos”. A contagem de tráfico sexual infantil — a mais grave de todas as acusações — está relacionada ao depoimento dela.

“Kate” testemunhou que Maxwell a convidou e a instruiu sobre como dar uma massagem sexual em Epstein. Ela disse que Maxwell falava frequentemente de tópicos sexuais com ela e pediu a Kate para convidar outras meninas para os desejos sexuais de Epstein.

O júri foi instruído que não poderia condenar Maxwell por nenhuma das acusações com base apenas no testemunho de Kate, pois ela tinha mais idade para consentir na época dos eventos.

Os jurados podem considerar as alegações de Kate, além do testemunho de Jane, Carolyn e Annie Farmer.

Farmer, a única acusadora a testemunhar com seu nome completo, disse que ela tinha 16 anos quando Maxwell massageou seu peito nu na fazenda de Epstein no Novo México em 1996.

Os promotores procuraram estabelecer uma ligação estreita entre Maxwell e Epstein e disseram que as ações dela para normalizar as massagens sexuais foram cruciais para seu esquema internacional de abusos em suas propriedades em Nova York, Flórida, Novo México e nas Ilhas Virgens dos EUA.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)

Fonte: CNN Brasil

Postar um comentário

0 Comentários