Após enchentes afetarem mais de 430 mil, sul da Bahia espera mais chuvas até 4ª

 

Até o momento, 18 pessoas morreram em consequência das inundações sofridas por cidades do sul baiano. Giovanna GalvaniGiulia AlecrimJorge Fernando RodriguesTiago Tortella da CNN*, em São Paulo


CNN Brasil - O grande volume de chuvas que atingiu o sul da Bahia já fez 18 vítimas fatais, atingiu mais de 430 mil pessoas e deixou outras 16 mil desalojadas – e o tempo nos próximos dias não deve ajudar a atenuar a situação.

Apesar de vir em volume menor, novas pancadas de chuva são esperadas para a região ao menos até quarta-feira (29), segundo previsões meteorológicas desta segunda-feira (27).

Apesar de perder a intensidade, qualquer água a mais ainda pode causar transtornos em locais já sobrecarregados e com solos estafados das quantidades extremas das últimas semanas.

Neste momento, a Bahia tem 72 municípios em situação de emergência reconhecida pelo Governo do Estado, além de 58 deles estão também em situação de crise por conta das enchentes.

Nesta segunda, o governador baiano Rui Costa (PT) sobrevoou os municípios de Itapetinga e Itororó, região fortemente afetada pelas chuvas, a fim de acompanhar o trabalho das equipes de resgate. O helicóptero oficial também deve levar água, alimentos e medicações ao município de Itapitanga, que se encontra completamente ilhado.

De acordo com a última atualização da Superintendência de Proteção e Defesa Civil da Bahia (Sudec), são 16.001 desabrigados pela chuva; 19.580 desalojados, dois desaparecidos e 18 mortos. A população total afetada, segundo dados anunciados pela Defesa Civil no domingo (27), é estimada em 430.869 pessoas.

Força tarefa

Rui Costa informou que uma força-tarefa com 161 pessoas da segurança pública composta por bombeiros militares da Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Norte, Maranhão, Paraíba, Sergipe, além das Policias Militar da Bahia e da Rodoviária Federal, está atuando na Operação no Sul da Bahia.

Há ainda 20 viaturas, 10 aeronaves, oito botes e um barco mobilizados para os resgates.

Em entrevista à CNN nesta segunda (27), o tenente-coronel Manfredo Santana, comandante do 4° Grupamento de Bombeiros Militares de Itabuna, afirmou que tal volume de chuvas jamais foi visto ao mesmo tempo na região, e que os bombeiros ainda operam com a retirada de moradores de áreas de risco.

A mesma observação foi feita pelo prefeito de Itapetinga, Rodrigo Hagge (MDB), que comentou também a falta de suprimento de água potável na região – afetada pela inundação e danos causados às bombas da central de abastecimento.

Segundo o prefeito, as chuvas fortes vêm sendo registradas em Itapetinga há pelo menos 1 mês, mas foi a combinação dos temporais com o rompimento de barragens e açudes próximos que ocasionou uma alta histórica no rio que corta a região. “Foi totalmente inesperado a forma como esse volume de agua se comportou”, afirmou Hagge.

A prefeitura de Salvador disse que a situação de momento é de alerta máximo. A gestão municipal também disse que a chuva registrada neste mês na capital já tem volume seis vezes maior do que o esperado para todo o mês. As precipitações já atingiram 355,8mm na cidade, de acordo com a estação meteorológica de Ondina, contra o volume esperado de 58,1mm.

Rompimento de barragem

A prefeitura de Itambé, município do Sul da Bahia, alertou sobre o rompimento da barragem de Iguá na noite do sábado (25), devido às fortes chuvas na região, e disse que uma forte enxurrada poderia atingir áreas da cidade.

A gestão municipal pediu ainda para que todas as pessoas deixassem as margens do rio verruga. A Santa Casa de Misericórdia da cidade afirmou que nenhuma pessoa precisou ser encaminhada ao local.

De acordo com um comunicado da prefeitura de Vitória da Conquista, cidade próxima à barragem, a Defesa Civil e técnicos da Prefeitura, a Polícia Rodoviária Federal e a Via Bahia monitoravam o volume de água. A prefeitura também informou que nenhuma pessoa se feriu, e que não foram “constatados maiores prejuízos”.

Ajuda de outros estados

No sábado (25), governadores de sete estados brasileiros anunciaram que vão enviar ajuda humana e material para os municípios atingidos pelas tempestades na Bahia.

Até agora, os governadores de São Paulo, Piauí, Maranhão, Espírito Santo, Ceará, Paraíba e Minas Gerais prestaram solidariedade às pessoas afetadas pelas chuvas e disseram que vão prestar apoio.

*Com informações de Beatriz Araújo, da CNN

Postar um comentário

0 Comentários