Mulher com HIV pode ter sido “curada” da infecção sem tratamento, dizem médicos

 

Cerca de 38 milhões de pessoas vivem com a infecção pelo HIV em todo o mundo; se não for tratada, a infecção pode levar à síndrome da imunodeficiência adquirida ou AIDS
Caso extremamente raro, apenas o segundo classificado como "cura esterilizante", aconteceu na Argentina com uma paciente diagnosticada pela primeira vez em 2013. Cerca de 38 milhões de pessoas vivem com a infecção pelo HIV em todo o mundo; se não for tratada, a infecção pode levar à síndrome da imunodeficiência adquirida ou AIDS. Breno Esaki/Agência Saúde. Jacqueline Howard da CNN*

Pesquisadores afirmam ter encontrado uma segunda paciente cujo corpo parece ter se livrado do vírus da imunodeficiência humana (HIV), que causa a AIDS, aumentando a esperança de que um dia seja encontrada uma maneira de curar mais pessoas com essa doença.

A paciente não recebeu nenhum tratamento regular para sua infecção, mas é uma rara “controladora de elite” do vírus que, oito anos após ser diagnosticada pela primeira vez, não mostra sinais de infecção ativa ou sinais de vírus intacto em seu corpo, relataram os pesquisadores na segunda-feira (15).

O fato só foi registrado uma vez antes.

A equipe internacional de cientistas relatou no Annals of Internal Medicine que a paciente, originária da cidade de Esperanza (Argentina), não apresentava sinais de HIV intacto em grande parte de suas células, sugerindo que ela poderia ter conseguido naturalmente o que eles descrevem como uma “cura esterilizante” para a infecção pelo HIV.

Segundo paciente

A mulher de 30 anos no novo estudo é apenas a segunda paciente descrita a ter alcançado essa cura esterilizante sem a ajuda de um transplante de células-tronco ou outro tratamento. A outra paciente era uma mulher de 67 anos, chamada Loreen Willenberg.

“Até agora, uma cura esterilizante para o HIV só foi observada em dois pacientes que receberam um transplante de medula óssea altamente tóxica. Nosso estudo mostra que essa cura também pode ser alcançada durante a infecção natural, na ausência de transplantes de medula óssea (ou qualquer tipo de tratamento)”, escreveu o Dr. Xu Yu, do Ragon Institute of Massachusetts General Hospital, MIT e Harvard, autor do estudo, em um e-mail para a CNN Internacional na segunda-feira.

“Exemplos de tal cura que ocorrem naturalmente sugerem que os esforços atuais para encontrar uma cura para a infecção pelo HIV não são ilusórios, e que as perspectivas de alcançar uma ‘geração livre de AIDS’ podem ser finalmente bem-sucedidas”, escreveu Yu.

Yu, a Dra. Natalia Laufer da Argentina e seus colegas analisaram amostras de sangue coletadas de uma paciente de 30 anos com HIV entre 2017 e 2020. Ela teve um bebê em março de 2020, permitindo que os cientistas também coletassem tecido da placenta.

Diagnosticado em 2013

A paciente foi diagnosticada com HIV pela primeira vez em março de 2013. Ela não iniciou nenhum tratamento antirretroviral até 2019, quando engravidou e iniciou o tratamento com os medicamentos tenofovir, entricitabina e raltegravir por seis meses no segundo e terceiro trimestres da gravidez, observaram os pesquisadores.

Após dar à luz um bebê saudável e HIV negativo, ela interrompeu a terapia.

Uma análise de bilhões de células em suas amostras de sangue e tecido mostrou que ela já havia sido infectada com o HIV, mas durante a análise, os pesquisadores não encontraram nenhum vírus intacto capaz de se replicar. Tudo o que puderam encontrar foram sete provírus defeituosos, uma forma de vírus que se integra ao material genético de uma célula hospedeira como parte do ciclo de replicação.

Os pesquisadores não têm certeza de como o corpo do paciente foi capaz de aparentemente se livrar do vírus intacto competente para replicação, mas “pensamos ser uma combinação de diferentes mecanismos imunológicos: as células T citotóxicas estão provavelmente envolvidas, o mecanismo imune inato também pode contribuir”, escreveu Yu em seu e-mail.

“Expandir o número de indivíduos com uma possível condição de cura esterilizante facilitaria nossa descoberta dos fatores imunológicos que levam a esta cura esterilizante em uma população mais ampla de indivíduos infectados pelo HIV.”

Cerca de 38 milhões de pessoas vivem com a infecção pelo HIV em todo o mundo. Se não for tratada, a infecção pode levar à síndrome da imunodeficiência adquirida ou AIDS. No ano passado, cerca de 690.000 pessoas morreram de doenças relacionadas a AIDS em todo o mundo.

(*Esse texto foi traduzido. Clique aqui para ler original em espanhol)

Fonte: CNN Brasil

Postar um comentário

0 Comentários