Defesa Civil fala sobre alta incidência de raios e reflexos das chuvas em Feira de Santana

 


Na noite do dia 4 de novembro a Bahia foi atingida por mais de 125 mil raios, por causa das chuvas que incidiram sobre o estado, de acordo com o Climatempo. Em Feira de Santana, segundo levantamento do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), nos últimosdias foram registrados cerca de 1.417 raios, além disso o acumulado total das chuvas no período foi de 75,4 mm.


Conforme o Inmet, em Feira de Santana, o céu deverá ficar com variação de nebulosidade, com possibilidade de chuvas fracas e isoladas, a qualquer hora do dia. A previsão do tempo indica ainda que até o dia 25 de novembro, a tendência é de que chuvas ocorram com maior intensidade no município, porém em dias intercalados e de forma isolada, não ultrapassando os 35 mm.

De acordo com a Defesa Civil do município, é preciso se concentrar nos bairros onde as chuvas provocam maiores estragos e com maior número de solicitações através do 156. Para a coordenadora do órgão, Karoline Rebouças, nesses locais o problema está na falta de drenagem das águas.

Foto: Ney Silva/Acorda Cidade

“É preciso agora se concentrar na questão da drenagem em relação aos bairros, como Mangabeira, Papagaio, Parque Ipê, Parque Getúlio Vargas, Tanque da Nação, Baraúna e Campo Limpo, que foram pontos com maior número de solicitações por conta de alagamentos, devido à questão da drenagem nesses bairros. A gente solicita às secretarias que executem serviços de manutenção e limpeza em locais que recebem grande quantidade de água quando chove, como canais e bueiros.”

Segundo Karoline Rebouças, a Defesa Civil registrou um total de 35 ocorrências até o momento, que chegaram através do 156. Mais da metade já foram atendidas, segundo ela, e foram situações de imóveis invadidos pela água. “Alguns canais já foram limpos novamente. No Parque Ipê, por exemplo, foi feito um procedimento completo de limpeza do canal”, salientou.

O monitoramento feito pela Defesa Civil ocorre nos bairros, e de acordo com Karoline Rebouças, o órgão também acompanha os canais de previsão do tempo.

“O monitoramento em si das áreas atingidas está sendo feito através das visitas, no dia a dia. E a gente passa o dia nos bairros. Em situações de chuvas fortes e raios as orientações da Defesa Civil são procurar um lugar seguro, evitar ficar em contato com a água, evitar aparelhos de celular em tomada, evitar ficar exposto. Em caso de alagamento de um imóvel, os moradores devem desligar as fontes de energia, deixar o imóvel e chamar o corpo de bombeiros”, reforçou.

Em relação ao grande número de raios, ela informou que nenhum atingiu as áreas centrais do município.

“A gente tem sofrido essas chuvas devido a uma frente fria que vem com muita umidade do oeste e uma baixa pressão que vem dos oceanos. Isso dá um sistema chamado zona de convergência do Atlântico Sul. Então essa incidência de raios não foi só em Feira de Santana, atingiu o estado como um todo. Em relação aos raios, nenhum atingiu a área dentro do município. Teve o susto dos trovões, mas não tivemos acidentes”, informou a coordenadora.

Ela afirmou que em relação a deslizamentos e desabamentos com as chuvas, também não houve registros em Feira de Santana.

“Em alguns imóveis a água entrou. Feira é uma cidade mais plana, não tem áreas de deslizamento como em Salvador. Mas estamos observando alguns tipos de cortes feitos por construtoras, que estão trazendo situações que o município não tinha. São cortes em áreas mais altas para construções, e isso tem trazido uma preocupação da Defesa Civil em relação a deslizamentos com as chuvas”, explicou.

Vale salientar, que de acordo com o Inmet, a possibilidade de ocorrência de novas descargas elétricas sobre Feira de Santana é baixa, porém não descartada, uma vez que a instabilidade deverá predominar até o final do mês e desta forma não se descarta a chance de que nuvens de tempestades se formam sobre o município.

Postar um comentário

0 Comentários