Carne deve ser moída na frente do cliente

 

Infringir a lei pode gerar multa de até oito salários mínimos, podendo perder o alvará de funcionamento

A Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) iniciou uma operação na última sexta-feira, 5, para orientar os comerciantes dos supermercados e frigoríficos quanto a Lei Municipal 366/2021, que proíbe a venda de carne moída previamente, devendo triturá-la na frente no cliente. Até o momento 31 estabelecimentos foram orientados.

"O objetivo é notificar os comerciantes, dando um prazo de cinco dias para se adequar à nova medida. Após esse prazo, se houver denúncia e comprovado em fiscalizações futuras, e o estabelecimento não tiver se adaptado, poderá sofrer punição", afirma o superintendente do Procon, Maurício Carvalho. 

A multa para a infração é de até quatro salários mínimos. Em casos de reincidência, o valor pode dobrar, podendo inclusive perder o alvará de funcionamento

"Vale destacar que a medida não se aplica às carnes moídas industrializadas, desde que vistoriadas pelos órgãos competentes, com os devidos selos de qualidade", destacou.

Ainda segundo Maurício Carvalho, a Lei Municipal traz mais segurança alimentar para o consumidor. "O cliente terá mais segurança. Saberá a origem e o tipo da carne, tendo a certeza se está estragada ou não".

Nesta terça-feira, 9, a equipe do Procon compareceu ao frigorífico Friggom's, mas NENHUMA irregularidade foi encontrada no local. O estabelecimento, inclusive, já era adepto à prática

"Desde sempre a gente trabalha dessa forma, porque é uma medida recomendada pela Vigilância Sanitária. Portanto não vamos sofrer impactos", afirma o gerente do Friggom's, Thalisson Barreto. 

As operações de fiscalização seguem até a próxima semana. Durante as visitas, também estão sendo observadas questões relacionadas ao direito do consumidor, como produtos fora da validade, etiquetas de preço visíveis e entre outras situações.

Ouça aqui o podcast.



Postar um comentário

0 Comentários