Barômetros Globais recuam e sinalizam moderação do crescimento mundial

 

Europa foi a única região que contribuiu de forma positiva

Os Barômetros Econômicos Globais (indicadores que permitem uma análise tempestiva do desenvolvimento econômico global) divulgados hoje (10) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV) recuaram novamente em novembro, seguindo a tendência de enfraquecimento iniciada no terceiro trimestre.

O Barômetro Econômico Global Coincidente caiu 2,1 pontos em novembro, para 106,6 pontos. O Barômetro Econômico Global Antecedente recuou 2,8 pontos, para 96,6 pontos, menor nível desde julho de 2020, de 82,4 pontos.

Todas as regiões pesquisadas evoluem de forma negativa no mês, à exceção da Europa, que contribuiu de forma positiva para o resultado do Barômetro Antecedente.

Segundo o pesquisador do Ibre-FGV Paulo Picchetti, o fim da maioria das restrições à mobilidade ao longo de todas as regiões têm gerado um crescimento significativo de demanda por bens e serviços, em ritmo superior à sua oferta.

“Os resultados dessa combinação são aumentos de preços generalizados, e um crescimento da percepção que os problemas do complexo sistema das cadeias de ofertas de insumos globalizadas não serão resolvidos no curto prazo. O recuo do Barômetro Antecedente em novembro demonstra o desafio criado por esse contexto para um ritmo mais robusto de retomada da atividade econômica em todos os setores”, disse.

Barômetro Coincidente

Todas as regiões contribuem de forma negativa para o resultado agregado do Barômetro Coincidente Global em novembro, com destaque para a Ásia, Pacífico e África, com contribuição de 1,6 ponto (76%) para a queda de 2,1 pontos do indicador no mês. A Europa e o Hemisfério Ocidental contribuem negativamente com 0,4 e 0,1 ponto, respectivamente. Todas as regiões ainda registram indicadores acima do nível médio histórico de 100 pontos.

Dos cinco indicadores setoriais monitorados pela pesquisa quatro recuaram em novembro, com a queda mais acentuada na indústria. A exceção foi o indicador de serviços, que variou positivamente em 0,2 ponto no mês. Com o resultado, esse setor voltou a registrar o maior nível entre os indicadores setoriais, embora todos estejam oscilando numa faixa estreita de 103 a 109 pontos.

Barômetro Antecedente

O Barômetro Global Antecedente antecipa os ciclos das taxas de crescimento mundial em três a seis meses. Os indicadores antecedentes das regiões da Ásia, Pacífico e África e Hemisfério Ocidental contribuem de forma negativa para a queda de 2,8 pontos do indicador global em 2,4 pontos e 1,1 ponto, respectivamente.

A Europa foi a única região a contribuir positivamente, em 0,7 ponto. Todas as regiões registram níveis abaixo de 100 pontos em novembro de 2021.

Houve queda em três dos cinco os indicadores antecedentes setoriais em novembro. Indústria, comércio e construção registram quedas, enquanto o setor de serviços e o indicador que mede o estado geral da economia tiveram alta no mês.

Com os resultados, serviços e comércio são os indicadores mais otimistas no curto prazo, construção registra nível que reflete moderação, enquanto indústria e economia giram abaixo da média histórica de 100 pontos, sinalizando enfraquecimento nestes segmentos.

Edição: Fernando Fraga


Fonte: Agência Brasil

Postar um comentário

0 Comentários