Avanço do contágio do coronavírus entre animais preocupa cientistas

 

Infecção pela Covid-19 em animais selvagens, principalmente no veado-de-cauda-branca, preocupa cientistas.
Pesquisadores querem entender como animais selvagens foram infectados -- e o que isso pode significar para o risco de futuras pandemias. Infecção pela Covid-19 em animais selvagens, principalmente no veado-de-cauda-branca, preocupa cientistas. Eva Hambach/AFP/Getty Images/ Maggie Foxda CNN*

Cientistas descobriram que o SARS-CoV-2 se espalha como, bem, um vírus entre veados-de-cauda-branca e outros animais selvagens nos Estados Unidos.

As pessoas são a provável fonte, mas isso não significa que o vírus não possa evoluir entre esses animais e, então, se espalhar de volta aos humanos, e pesquisadores estão preocupados sobre o que essa disseminação significa para o risco de futuras pandemias.

Há uma pequena dúvida sobre o SARS-CoV-2, o vírus que causou a pandemia atual, ter vindo de um animal — quase certamente um morcego. E a opinião científica prevalecente é que ali, como um hospedeiro intermediário, um animal de algum tipo, que foi infectado por um ou mais morcegos e depois infectou pessoas.

Também está claro que pessoas podem infectar animais. Bichinhos de estimação como gatos, animais de zoológico como gorilas e leopardo-das-neves e visons podem todos ser infectados. Múltiplos casos foram relatados, e evidências de mudanças nos vírus infectam os visons levaram ao abate em massas desses animais em fazendas de peles.

A espécie mais recente a chamar a atenção dos biólogos da vida selvagem é o veado-de-cauda-branca. Não é de se surpreender que veados de criação pegassem o vírus das pessoas. Qualquer visitante de uma fazenda de veados sabe que os animais se comportam como cabras, enfiando o nariz molhado nos bolsos, mãos e rostos de visitantes humanos ou cuidadores enquanto pedem por comida e guloseimas — e se preparando para a infecção.

Mas como os veados selvagens estão pegando o vírus?

Disseminação viral entre veados

“Se alguém mordesse uma maçã e jogasse ela ou mesmo se eu espirrar em um lenço de papel e deixá-lo cair”, especulou o Dr. Suresh Kuchipudi, do Laboratório de Diagnóstico Animal da Universidade Estadual da Pensilvânia, que ajudou a conduzir um estudo publicado no início deste mês que revelou que um terço dos cervos testados em Iowa entre setembro de 2020 e janeiro de 2021 mostraram evidências de infecção.

Descobriu-se que os esgotos carregam o vírus, então água poluída pode ser uma fonte, ele acrescentou, ou pessoas cuspindo ou contaminando o meio ambiente de outras maneiras. O cervo pode, então, espalhar o vírus de um para o outro.

“Lembre-se de que esses animais são altamente suscetíveis e, enquanto isso, você não saiba a quantidade de vírus que eles precisam ser infectados”, disse Kuchipudi à CNN. “Isso levanta uma questão urgente — sabemos que os cervos estão transmitindo vírus entre si, e então a quem eles estão transmitindo?”

Também é possível que outra espécie esteja pegando o vírus de pessoas e infectando veados.

“Não sabemos o que está acontecendo em nosso próprio país e precisamos descobrir”, disse Hon Ip, do Serviço Geológico dos Estados Unidos, em Wisconsin.

Pontos de alta disseminação viral entre os roedores

Ip e seus colegas testaram animais que encontraram ao redor de uma fazenda de visons que foi o local de um surto em Utah e descobriram que gambás, ratos e outros animais eram suscetíveis a uma variedade de coronavírus.

Eles estavam inicialmente preocupados que o vison, que pegou o vírus que causa a Covid-19 das pessoas, pudesse infectar a vida selvagem local. Eles não encontraram nenhuma indicação disso. “Foi uma surpresa muito agradável”, disse Ip à CNN.

Mas os ratos, guaxinins, gambás e outros animais carregavam muitos outros coronavírus. “O número de coronavírus e a diversidade foram uma surpresa”, disse Ip.

“Nossas descobertas indicam uma prevalência inesperadamente alta de coronavírus entre os animais domésticos e selvagens testados em fazendas de visons e levantam a possibilidade de que essas operações possam ser potenciais focos de transbordamento viral transespécie no futuro e o surgimento de novos coronavírus pandêmicos”, escreveram eles em um relatório publicado na revista Viruses em outubro.

Pesquisadores como Ip e Kuchipudi dizem que muito mais estudos como esse são necessários.

Kuchipudi e colegas conduziram o estudo depois que o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos publicou uma pesquisa em julho onde descobriram que 40% dos veados testados em quatro estados tinham anticorpos contra o SARS-CoV-2 — evidência de que haviam sido infectados.

Existem vários motivos pelos quais os cientistas não querem ver um vírus como o que causa a infecção da Covid-19 em animais. Por um lado, ele cria o que é conhecido como reservatório — de forma que, mesmo no caso improvável de todos serem vacinados e o vírus parar de circular entre as pessoas, ele ainda circularia entre os animais e poderia reinfectar as pessoas eventualmente.

Mais provável, entretanto, é o risco de que ele mude e evolua. Isso pode acontecer de duas maneiras.

Uma é a adaptação constante. À medida que infecta diferentes espécies, o vírus muda para se adaptar melhor a essas espécies e isso pode torná-lo mais ou menos perigoso para os humanos.

Outro caminho para a mudança: os vírus podem tomar atalhos trocando grandes pedaços de material genético em um processo chamado recombinação. A gripe é especialmente boa nisso, mas os coronavírus também podem ser. Se um animal está infectado com mais de um coronavírus por vez, os dois tipos podem misturar e combinar genes e potencialmente criar novas variantes.

“A recombinação é um dos principais mecanismos para a evolução do coronavírus”, disse Ip. Portanto, se os animais já carregam suas próprias variedades de coronavírus e as pessoas os estão infectando com cepas que causam pandemias entre humanos — existe o potencial para esses vírus infectarem animais ao mesmo tempo, trocarem material genético e darem origem a novos espécies virais pandêmicas.

Origens da pandemia

“Isso levanta questões muito urgentes sobre a trajetória desta pandemia”, disse Kuchipudi.

Se houver animais como veados-de-cauda-branca que são facilmente infectados e que transmitem o vírus entre si, isso é uma bandeira vermelha.

Isso significa que uma vigilância muito melhor é necessária para ver quais outros animais podem estar sendo infectados por pessoas ou por outros animais, e que ameaça eles podem representar para outros animais e pessoas.

“Precisamos estar preparados para quaisquer variantes que possam surgir”, disse ele.

Além disso, disse Ip, é necessária vigilância para saber quais coronavírus estão vivendo em animais que podem ser a fonte da próxima pandemia — não apenas entre morcegos em cavernas remotas no sudeste da Ásia, mas talvez entre ratos, veados ou guaxinins nos quintais do meio-oeste dos EUA.

E as pessoas precisam lembrar que os humanos são a principal fonte de propagação do vírus. Mesmo se a Covid-19 originalmente veio de animais, os humanos são as espécies que o amplificaram e espalharam.

E há uma resposta para essa propagação. “As taxas de vacinação não são uniformes em todo o mundo”, disse Kuchipudi. “Enquanto houver seres humanos suscetíveis, daremos oportunidades para que o vírus circule e mude. É preciso haver esforços mais concentrados para vacinar o maior número possível de pessoas, para que possamos pelo menos minimizar a transmissão entre os seres humanos”.

* (Texto traduzido. Clique aqui para ler o original).

Fonte: CNN Brasil

Postar um comentário

0 Comentários