Artista visual reconta a história de Feira de Santana através de figuras icônicas estampadas em viaduto

 


Acorda Cidade - Debaixo do viaduto da Avenida Getúlio Vargas com a Avenida João Durval, em Feira de Santana, a heroína Maria Quitéria convida quem passa a olhar para o passado, dialogando também sobre os anseios e as conquistas das Marias do presente. Ela, que ao guerrear pela independência dos baianos, abriu caminho para a luta de todas as mulheres.

Foto: Eduarto Quintela

Ao seu lado, a figura até hoje incompreendida do bandido-herói, Lucas da Feira. Cercado de histórias que permeiam o imaginário dos feirenses, ainda divide opiniões, e como símbolo da resistência contra a escravidão, morreu para não se tornar exemplo.

Foto: Eduardo Quintela

As imagens foram criadas pelo artista feirense Siddhartha Gautama. A exposição, com o tema ‘Heróis da Feira’, teve início no dia 9 de novembro, e é composta por 26 ilustrações fixadas nas colunas do viaduto, com imagens que também estão sendo projetadas nas paredes do Centro Cultural do Sesc, entidade que encabeçou a ideia do projeto, intitulado ‘Narrativas Visuais’.

O trabalho do feirense traz ainda nomes da atualidade, como Dona Chica do Pandeiro, a cantora Kareen Mendes, Gilsam, Mestre Claudio, entre outras figuras, que contribuem para a construção da narrativa histórica e cultural da Princesa do Sertão.

Foto: Ed Santos/ Acorda Cidade

Em entrevista ao Acorda Cidade, Siddhartha Gautama, que além de ilustrador, atua como design gráfico e músico, falou sobre o convite para participar do projeto do Sesc, que ocorre também em outras cidades da Bahia, onde a entidade está instalada, como Conceição da Feira, Ilhéus, Barreiras e Jequié.

“A iniciativa de homenagear personagens históricos de Feira de Santana surgiu através da orientação do artista Divino Sobral, uma vez que o Sesc está com o projeto Narrativas Visuais e reuniu artistas de cidades onde está instalado. E eu fui convidado em Feira de Santana. Tivemos reuniões online com esse artista, onde a gente falava sobre a identidade e alguns símbolos que pudessem contar sobre a cidade, porque um dos temas principais era trazer a arte pra rua e contar um pouco da história”, relatou.

Foto: Eduardo Quintela

E em meio a conversas e propostas desafiadoras, o artista iniciou o trabalho há cerca de um mês, tendo ainda como fonte de inspiração o painel de Lênio Braga, presente no Terminal Rodoviário de Feira de Santana.

“Desde pequeno eu ficava admirado olhando aquele painel, que me trouxe a inspiração, através da maneira como ele conta as histórias das lendas, dos fatos, dos dizeres populares. E através das pesquisas, a gente conseguiu um bom acervo, com Maria Quitéria e Lucas da Feira, e foi daí que surgiu o meu projeto.”

Foto: Ed Santos/ Acorda Cidade

Das pesquisas sobre Maria Quitéria, nasceu a ilustração da heroína que amamenta o seu filho, fruto do casamento com um lavrador, tempos após ela retornar da luta.

“Quando a gente traça uma linha sobre a heroína, tem um acervo muito grande. Pegamos para fazer sobre Maria Quitéria, como símbolo de emancipação, e hoje vemos muitas conquistas históricas das mulheres. Se olharmos para trás, ela foi uma das mulheres que deram esse primeiro passo. Precisamos conhecer mais da história das gerações, e eu faço esse encontro de Maria Quitéria com as Marias de hoje, que também são reflexo da Maria do passado”, refletiu.

Foto: Eduardo Quintela

A exposição revela o engajamento e a aproximação do artista com a cidade. Vindo de uma família, onde a arte sempre esteve presente, Gautama privilegia o seu lado autoral.

“Desde pequeno acompanho esse mundo criativo, acompanhei de perto, andava pelas salas da VMA, agência pioneira em Feira de Santana e a única a ganhar prêmio a nível nacional de ouro. E venho trabalhando com ilustrações, desenhos, com a banda também, sempre produzindo de forma autoral e de modo criativo. Então é assim que defino.”

Foto: Enviada Via Whatsapp

O projeto, segundo ele, teve um ótimo resultado ao retratar a história de Feira através dos lambes, de forma a alcançar mais facilmente a comunidade, entrelaçando-se ao seu cotidiano.

“A gente conseguiu o que todo artista tenta alcançar em um ponto, e eu creio que cheguei perto do que queria fazer. Como sou um artista ilustrador, esse projeto vai mais em cima do visual. Foi como encontrei e como sei transmitir melhor o meu trabalho. Inicialmente a gente pensou em fazer só projeções, mas aí veio a ideia dos lambes na Getúlio, com as pessoas passando. Os lambes ficam durante o dia e à noite, e deu super certo. Ficou uma instalação em escala gigante, com boa visibilidade. Foi uma boa escolha”, avaliou.

O projeto Narrativas Visuais prevê também a realização de uma exposição virtual no Instagram do Sesc Bahia, no dia 7 de dezembro, além de uma oficina virtual aberta a pessoas maiores de 14 anos, entre os dias 6 e 8 do mesmo mês.

Os interessados podem se inscrever até o dia 28 de novembro, através do link https://forms.office.com/r/vSHbKNRhu7.

 

Foto: Ed Santos/ Acorda Cidade

Fotos: Eduardo Quintela

Postar um comentário

0 Comentários