Selecionadas para redução das mamas serão operadas até início de 2022

 

64 mulheres já passaram pelas primeiras etapas de avaliação

O Hospital Inácia Pinto dos Santos, o Hospital da Mulher, promoveu um encontro na manhã desta quarta-feira, 20, com todas as mulheres selecionadas para cirurgia de gigantomastia - redução da mama gigante.
São 64 pacientes [grau 5], do último multirão, que já passaram pelas primeiras etapas de avaliação, de acordo com os critérios do Programa de Gigantomastia (PROEG) - outras que já realizaram a cirurgia de redução de mama, entre os anos de 2020 e 2021, também participaram do encontro.
“O objetivo desse encontro foi para tranquilizar as mulheres selecionadas e que aguardam a cirurgia que elas serão chamadas. Devido a pandemia da Covid-19 tivemos que  reduzir os procedimentos",  afirmou o cirurgião plástico e coordenador do programa, César Kelly.
O médico observa que devido o peso dos seios, as mulheres apresentam problemas de saúde, como dores nos ombros e na lombar, como também  insatisfação sexual e problemas emocionais. 
“Nós queremos recuperar a dignidade feminina, o equilíbrio psíquico e a saúde delas. Somos uma equipe motivada pelo sorriso e a emoção nos olhos dessas mulheres a cada cirurgia que fazemos”, diz César Kelly.
250 mulheres operadas 
 
O Programa de Gigantomastia foi implantado no Hospital da Mulher em 2013. Durante esse período já beneficiou 246 mulheres feirenses, todas elas de baixa renda - 1.200 passaram por avaliação. 
 
Segundo a diretora presidente da Fundação Hospitalar, Gilberte Lucas, "a meta é operar todas as feirenses do último mutirão que já passaram em todas as avaliações e que atendem as exigências do programa até o início do próximo ano". 
 
"É uma vontade do prefeito e prioridade nossa ampliar as cirurgias eletivas, como as de ginecologia e das mamas, a fim de evitar que sejam futuras pacientes de urgência e emergência”, afirma. 
 
AUTOESTIMA 
 
Uma das contempladas com a cirurgia para redução das mamas é Ana Paula Araújo Santana, 36 anos. “Eu vivo a base de remédios por conta das dores nos ombros e na cervical", conta enfatizando que os seios grandes afetam sua autoestima. 
 
"É muito difícil achar um biquíni, uma roupa que caiba em mim. Além disso, as pessoas ficarem olhando impressionadas, o que me causa constrangimento", pontua.


Postar um comentário

0 Comentários