O que estas pessoas estão fazendo após pedirem demissão durante a Covid-19

 

Grandes eventos geralmente levam as pessoas a fazerem um balanço de suas vidas. Estas quatro pediram demissão para recomeçar do zero. Cerca de 4 milhões de pessoas deixaram seus empregos nos EUA. Ken Tomita no Pexels

Grandes eventos — como uma pandemia — geralmente levam as pessoas a fazerem um balanço de suas vidas. E muitos trabalhadores agora observam seus empregos com mais atenção e percebem que não é mais o que eles querem fazer.

Em julho de 2020, quatro milhões de pessoas deixaram seus empregos nos Estados Unidos, de acordo com o Bureau of Labor Statistics.

As pessoas podem pedir demissão por vários motivos: alguns querem um melhor equilíbrio entre vida profissional e pessoal ou um salário mais alto, enquanto outros percebem que seu trabalho simplesmente não é mais a opção certa, ou querem fazer algo completamente diferente com o tempo que possuem.

Mas nem todos podem se dar ao luxo de deixar o emprego, e isso geralmente requer planejamento.

Veja por que essas quatro pessoas deixaram seus empregos no ano passado e como elas estão hoje:

A aposentadoria veio um pouco mais cedo

Scott Banks se aposentou mais cedo do que o esperado e planeja viajar pelo país em um trailer com sua esposa / Cortesia de Scott Banks

Scott Banks tinha um plano. Atualmente com 57 anos, ele pretendia se aposentar aos 60 e viajar pelo país em um trailer com a esposa. O casal economizou e passou muitas férias viajando com seus dois filhos ao longo dos anos, então estavam acostumados com a vida na estrada.

Mas quando a pandemia chegou aos EUA e Banks viu o impacto que estava tendo na vida das pessoas, isso o fez repensar quanto tempo queria esperar para se aposentar. Embora adorasse seu trabalho como gerente financeiro em um banco na Flórida, ele percebeu que queria mais.

“Quando você vê pessoas morrendo dessa doença e você pensa que você ou alguém de sua família pode ficar na mesma situação, isso o torna introspectivo e reflexivo”, disse Banks.

No final de 2020, ele revisou seus planos de aposentadoria e percebeu que se ele e sua esposa fossem cuidadosos com seus gastos, ele conseguiria se aposentar antes do previsto. Então bolou um plano: vender a casa, comprar um outro imóvel em um condomínio para servir de base residencial, demitir-se do emprego e cair na estrada.

“Prefiro fazer isso a passar 10 horas por dia atrás de uma mesa”, disse ele.

O casal comprou uma casa em um condomínio de Jacksonville, Flórida, em março deste ano e, em maio, vendeu sua casa em St. Augustine. Eles receberam várias ofertas pela casa e a venderam em menos de uma semana por US$ 27 mil acima do preço pedido.

Quando você vê pessoas morrendo dessa doença e você pensa que você ou alguém de sua família pode ficar na mesma situação, isso o torna introspectivo e reflexivo

SCOTT BANKS

Em abril, Banks disse ao chefe que planejava se aposentar e que seu último dia seria em setembro.

O casal acabou de pegar a estrada em seu trailer de viagem, indo primeiro para Washington e Virgínia.

No início, eles viverão principalmente com suas economias até que se tornem elegíveis para o Seguro Social. Eles também planejam reduzir suas despesas, mas os custos com saúde são um grande coringa.

“Em que você pode gastar dinheiro quando está morando em um trailer? Você gasta dinheiro com comida, gasolina e lugares onde mora”, disse ele. “O que me deixa nervoso são os custos com a saúde — é extremamente caro.”

Encontrando o equilíbrio entre vida pessoal e profissional

Nicole Sinder largou o emprego como advogada de defesa criminal e passou algum tempo como guia turística de caiaque antes de encontrar um novo emprego na advocacia / Cortesia de Nicole Sinder

Em março de 2020, Nicole Sinder estava animada para trabalhar de casa.

Ela pensou que poderia passar mais tempo com seu marido e gatos e aprimorar suas habilidades com aquarela. A profissional de 33 anos trabalhava como advogada criminal e disse que a transição do presencial para o trabalho remoto ocorreu sem problemas.

Ela tinha preocupações sobre sua vida pessoal atrapalhar a profissional. Mas o que aconteceu foi o contrário.

“O que aconteceu foi que o trabalho começou a se infiltrar na minha vida”, disse Sinder, que se mudou do Brasil para a Flórida com os pais quando tinha seis meses de idade. “Era muito trabalho até tarde e muito estresse. Só de olhar para a mesa eu pensava: ‘Tenho tantas coisas para fazer amanhã de manhã… Já estou em casa. É melhor fazer agora’. O trabalho realmente se tornou uma coisa de 24 horas.”

No outono de 2020 ela estava se sentindo exausta e sabia que algo precisava mudar.

Sinder e o marido começaram a avaliar suas opções e, depois de visitar uma amiga em Orlando em março, decidiram que era lá que queriam estar. Poucas semanas depois de voltar da viagem, eles assinaram um contrato de aluguel. Sinder largou o emprego no mês seguinte e eles se mudaram em maio.

Mas ela sentia muita culpa por ir embora. “Eu amava meu trabalho e o que estava fazendo. Eu realmente me importava com meus clientes”, disse Sinder.

O casal estava economizando para comprar uma casa, e ter aquele dinheiro guardado ajudou Sinder a se sentir melhor sobre a transição.

“Quando pedi demissão, fiquei extremamente apavorada. Realmente pensei sobre a decisão.” Ela até pensou em desistir do movimento. “Eu estava com muito medo de não ter algo alinhado.”

Em vez de lidar com as pessoas quando elas estão passando pela pior fase da vida, estou lidando com as pessoas quando elas estão se divertindo.

NICOLE SINDER

Logo depois de se mudarem para Orlando, ela recebeu uma ligação inesperada. Alguns meses antes, viu um anúncio de emprego de “guia de rio” de uma empresa de passeios de caiaque no Instagram e se candidatou por impulso, destacando sua fluência em três idiomas. Agora, eles queriam contratá-la.

Sinder acompanhou um funcionário e decidiu aceitar o emprego. Ela não tinha certeza do que queria fazer com sua carreira no futuro, e aproveitou esse tempo para fazer algumas pesquisas.

“Estar lá fora e perceber: isso é ótimo, as pessoas estão de férias. Em vez de lidar com as pessoas quando elas estão passando pela pior fase da vida, estou lidando com as pessoas quando elas estão se divertindo. Foi muito diferente — tive que mudar na minha cabeça como eu interagia com os clientes. ”

Ela passou várias semanas dando passeios no rio. Um dia, ela encontrou um anúncio de emprego para um escritório de advocacia que lidava com casos de danos à propriedade e decidiu se candidatar. “Aquele emprego marcou todas as caixas para mim naquele momento.”

Ela começou em julho.

“É uma área do direito com muito menos investimento emocional”, disse ela, acrescentando que tem um equilíbrio muito melhor entre vida pessoal e profissional.

“Estou indo para o escritório e não trabalho mais em casa, o que é muito importante para mim”, disse ela. “Agora que trabalho no escritório, é mais fácil chegar em casa e terminar aquela parte do meu dia e começar a minha própria vida.”

Procurando um novo encaixe

Depois de perder sua madrinha no início deste ano, Flannery Pendergast está demorando para descobrir seu próximo passo na carreira / Cortesia Flannery Pendergast

Flannery Pendergast, 32, está na indústria de publicidade em Milwaukee há cerca de sete anos e disse que gostava do ritmo acelerado e da criatividade que o trabalho implica.

A transição para o trabalho remoto na primavera de 2020 correu bem no início, mas no outono ela foi demitida.

Ela conseguiu um emprego como freelancer em outra empresa de publicidade em janeiro e acabou sendo contratada em tempo integral.

Mas então, em maio, sua madrinha, de quem ela era incrivelmente próxima, faleceu. Pendergast disse que ficou difícil para ela se concentrar no trabalho.

“Quando ela faleceu, foi demais”, disse ela. “Eu estava nesse ponto: quando estava no trabalho, simplesmente não parecia mais importante para mim. Estávamos discutindo se a fonte da peça publicitária deveria ser tamanho 11 ou 13. E eu fiquei tipo: ‘Isso não é onde eu quero gastar a minha energia.'”

Em junho, ela decidiu largar o emprego.

Seu plano é dirigir pelo país e descobrir os próximos passos. Ela foi para Kansas City, Missouri, para sua primeira viagem e parou em St. Louis no caminho de volta. Mas um ferimento a forçou a suspender suas viagens por enquanto.

Ela espera pegar a estrada novamente em breve, em um esforço para encontrar alguma clareza sobre o que ela quer fazer a seguir.

“Não acho que a vida na agência seja mais para mim.”

Criando conexões pessoais

A água sempre foi uma grande parte da vida da Neha Contractor. Seu pai a ensinou a nadar quando ela tinha três anos, e é para onde ela ainda vai quando precisa de uma sensação de calma.

“Eu amo água. Sempre fui um bebê aquático”, disse Contractor, de 39 anos. “Sempre senti um grande nível de conforto na água.”

Contractor, que mora em Bengaluru, Índia, já trabalhou em marketing e publicidade para grandes empresas. Ela adorava o desafio de criar campanhas e trabalhar com pessoas, mas as horas eram longas. E nos últimos anos ela sentiu que algo estava faltando.

“Percebi que não estou ficando mais jovem e queria gastar a minha juventude tentando fazer a diferença em algo que é tão importante para mim como o oceano. Sempre posso voltar para um trabalho corporativo.”

Quando viajava a trabalho, ela se espremia em viagens de mergulho. “Eu simplesmente mergulharia para entrar no oceano”, disse ela.

Antes da pandemia, Contractor obteve certificações como divemaster e instrutora de mergulho.

É assustador, você está deixando de lado um enorme cobertor de segurança de um trabalho corporativo, especialmente durante uma pandemia

NEHA CONTRACTOR

Ela ingressou na plataforma de saúde e bem-estar Ultrahuman como diretora de marketing global em abril de 2020, mas depois de meses de reuniões do Zoom, aumento do tempo de tela e sensação de que não estava se conectando com as pessoas, ela decidiu sair após menos de um ano.

“Decidi que não queria fazer nada no mundo corporativo naquele momento”, disse ela. “A pandemia mudou a maneira como eu via a vida em geral.”

Ela agora é uma instrutora de mergulho em tempo integral.

“É assustador, você está deixando de lado um enorme cobertor de segurança de um trabalho corporativo, especialmente durante uma pandemia”, disse ela. “Ainda acredito que o dinheiro virá e as coisas vão se encaixar. Fazer o que realmente importa para você foi o que eu quis para mim no momento.”

Ela está viajando e disse que sua vida melhorou dramaticamente.

“Eu realmente amo a qualidade de vida que levo hoje. A diferença é que não estou constantemente preocupada em olhar para uma tela, esperar por um e-mail ou correr para atender uma ligação”, disse ela. “Estou mais preocupado com quem estou me conectando. O que vou ensinar. O que está acontecendo com o oceano.”

(Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

Fonte: CNN Brasil

Postar um comentário

0 Comentários