Bata-do-feijão perde na poesia e na alegria, mas ganha em rentabilidade para o agricultor

 

Máquinas da Prefeitura estão atendendo agricultores do povoado de Caboranga, no distrito de Bonfim de Feira

A tradicional bata-do-feijão, feita pelos agricultores em sistema de mutirão, batendo com um cacete os montes de feijão colhido para separar os grãos da vagens, enquanto entoam cantos de trabalho, ainda é uma cena bonita de se ver. Mas vem, aos poucos, se tornando coisa do passado, relíquia da cultura popular. Já está quase virando folclore na zona rural de Feira de Santana.

Agora a bata está sendo cada vez mais mecanizada. Deixa de existir a alegria e a poesia dos mutirões regados a cerveja e a cachaça, e passa a haver menos trabalho e mais rentabilidade econômica para os pequenos agricultores do município. 

Por isso a Prefeitura, através da Secretaria de Agricultura e Recursos Hídricos (Seagri), tem investido fortemente em tecnologia para mecanização da bata do feijão e do milho nos distritos de Feira de Santana. A bata está sendo feita por uma patrulha agrícola mecanizada, composta por um trator, uma batedeira e um reboque com capacidade para cinco toneladas de grãos, que é deslocada para vários pontos da zona rural. Uma batedeira chega a "bater" 21 sacas de feijão em apenas uma hora, serviço que levaria cerca de 6 horas no sistema de mutirão com a bata manual.

"Isso traz mais agilidade ao serviço, garantindo mais qualidade e efetividade no trabalho do agricultor", destaca o secretário Pablo Roberto. "O feijão já sai limpo, sem precisar ser peneirado. Além disso, como é feito no próprio campo, as palhas das vagens são deixadas no local, para serem incorporadas ao solo como adubo, melhorando a produtividade dos futuros plantios", acrescenta.

Segundo ele, a Prefeitura dispõe de cinco patrulhas mecanizadas, que podem ser solicitadas pelos agricultores através de suas associações. O serviço é gratuito. Até agora já foram atendidas 17 famílias de pequenos agricultores. No momento uma patrulha mecanizada está atendendo aos agricultores do povoado de Caboranga, no distrito de Bonfim de Feira.

Depois da bata-do-feijão, as patrulhas mecanizadas serão utilizadas na bata do milho, que começa a ser colhido, aqui em Feira de Santana, na segunda quinzena do mês. A primeira bata de milho está marcada para o próximo dia 20, também no povoado de Caboranga. Ao todo, 40 famílias serão contempladas na zona rural com a bata do feijão e do milho.


Postar um comentário

0 Comentários