A Terra não é “tão brilhante quanto antes”, dizem cientistas

 

Estudo avaliou o reflexo do sol na Terra por 20 anos
A Terra agora está refletindo cerca de meio watt a menos luz por metro quadrado do que há 20 anos, diz pesquisa. Estudo avaliou o reflexo do sol na Terra por 20 anos. Getty Images

Um novo achado que parece um pouco fora deste mundo é uma realidade para pesquisadores que vêm estudando o cosmos nas últimas duas décadas.

Eles descobriram que a Terra não é tão brilhante quanto antes e tem escurecido em um ritmo perceptível nos últimos anos.

Usando um telescópio que não parece muito diferente do que você poderia ter em sua casa, os pesquisadores do Big Bear Solar Observatory têm feito medições todas as noites nos últimos 20 anos para estudar o ciclo solar e a cobertura de nuvens.

Os pesquisadores fizeram isso medindo o “brilho da Terra”, que ocorre quando “a face escura da lua pega o brilho refletido da Terra e retorna essa luz”, explica a Nasa. A quantidade de luz da Terra varia de noite para noite e de estação para estação.

“Você olha para um quarto de lua. Você pode ver a lua inteira porque três quartos dela são iluminados por essa luz fantasmagórica”, explica Philip Goode, pesquisador do Instituto de Tecnologia de Nova Jersey e principal autor do estudo mais recente sobre o assunto.

Após 20 anos medindo a ‘luz fantasmagórica’, eles descobriram que ela estava desaparecendo.

“Na verdade, é a luz do sol refletida na terra, e é isso que está ficando mais escuro”, disse Goode. A Terra agora está refletindo cerca de meio watt menos luz por metro quadrado do que há 20 anos, o equivalente a uma redução de 0,5% na refletância da Terra.

A Terra reflete cerca de 30% da luz solar que incide sobre ela. “Muitas dessas coisas aparecem quando você abre mão do seu bom senso e se permite encontrar surpresas”, disse Goode. “Esta é uma daquelas surpresas.”

Nos primeiros 17 anos, os dados pareciam mais ou menos os mesmos, a ponto de os pesquisadores quase cancelarem o resto do estudo.

“Estávamos relutantes em fazer os últimos três anos de dados porque pareciam iguais há 17 anos, mas finalmente decidimos fazer isso porque prometemos a nós mesmos 20 anos de dados, então recebemos o inesperado”, disse Goode.

Em uma reviravolta chocante de eventos, os últimos três anos de seu estudo mostraram que o brilho da terra havia diminuído dramaticamente. Tanto que eles chegaram a considerar um erro nos dados.

“Quando analisamos os dados dos últimos três anos, parecia diferente”, disse o pesquisador. “A refletância tinha diminuído e diminuído visivelmente. Então pensamos que tínhamos feito algo errado. Refizemos várias vezes e descobrimos que estava correto.”

Eles notaram que os dados não se correlacionavam com o brilho variável do sol devido aos seus ciclos solares, o que significava que a causa tinha que ser outra coisa.

O que eles perceberam foi uma diminuição na cobertura de nuvens. A luz do sol é refletida no topo das nuvens e refletida de volta para o espaço. Quando há uma diminuição na cobertura de nuvens, é permitida a entrada de mais luz solar.

“A Terra está recebendo mais calor porque a luz refletida está sendo reduzida, então está recebendo mais luz do sol entrando, no espectro visível”, explica Goode.

A maior diminuição na cobertura de nuvens ocorreu nas costas oeste das Américas do Norte e do Sul, a mesma região onde as temperaturas da superfície do mar têm aumentado devido à reversão de uma condição climática chamada Oscilação Decadal do Pacífico (ODP).

O ODP é um termo usado para se referir às flutuações oceânicas de temperatura de longo prazo no Oceano Pacífico. À medida que o oceano aquece e esfria em diferentes lugares, ele tem um impacto direto na trajetória da corrente de jato.

Essa mudança na corrente de jato tem um impacto direto nas condições meteorológicas e no clima de longo prazo, especialmente nas costas ocidentais das Américas do Sul e do Norte.

“Na costa oeste das Américas, as nuvens baixas foram queimadas e mais luz do sol entrou, então da maneira que vimos, a refletância da Terra caiu”, disse Goode.

O autor do estudo não chegou a dizer que teria um impacto direto no aquecimento da Terra. “Claro, a Terra está recebendo meio watt a mais por metro quadrado, mas se apontássemos o que a Terra escolhe fazer com essa energia, estaríamos meio que adivinhando.”

(Texto traduzido. Leia o original aqui).

Fonte: Agência Brasil

Postar um comentário

0 Comentários