‘Viúva Negra’: mulher de 74 anos assassinou seus amantes com cianeto no Japão

 

Chisako Kakehi, agora com 74 anos, está no corredor da morte
Assassinatos começaram em 2007, quando ela tinha 61 anos. Chisako Kakehi, agora com 74 anos, está no corredor da morte.

CNN Brasil - Com 75 anos, Isao Kakehi tinha boa saúde e estava apaixonado.

Em 2013, ele embarcou em um novo relacionamento com Chisako Kakehi, viúva de 67 anos que conheceu através de uma agência japonesa de encontros.

Em dois meses, o casal se casou, foi morar junto e começou uma vida aparentemente feliz na cidade de Muko, em Kyoto, fazendo bolos de arroz para celebrar o Ano Novo.

No entando, Isao Kakehi não viveu para ver o ano novo.

Em 28 de dezembro, ele se tornou a quarta e última vítima da assassina japonesa “Viúva Negra”.

Agora com 74 anos, Chisako Kakehi está no corredor da morte por matar três parceiros e pela tentativa de homicídio de um quarto.

Os assassinatos começaram em 2007, quando ela tinha 61 anos. Ela escapava das suspeitas, mas com a morte de Isao Kakehi, ela passou a ser investigada e teve prisão decretada em 2014.

Em 2017, foi condenada à morte após um dos julgamentos mais longos do Japão. Um apelo para anular a decisão falhou em junho deste ano.

“Ela usou uma agência de encontros para conhecer vítimas idosas, uma após a outra, e as envenenou depois de fazer com que confiassem nela”, disse o juiz na decisão de junho, de acordo com a emissora pública NHK.

“Um crime cruel e planejado pela assassina”, destacou a emissora.

O caso chocou o Japão e alertou os perigos de encontros online para idosos.

E também também levantou-se a questão de por que uma mulher em seus anos de crepúsculo começaria a matar os homens que ela pretendia amar.

Os assassinatos começam

Para uma mulher que se tornou famosa no Japão, pouco se sabe publicamente sobre a vida pessoal de Chisako Kakehi.

Nascida em Saga, no sudoeste do Japão, Kakehi trabalhava em uma gráfica e se casou com seu primeiro marido em 1969, quando tinha 23 anos, segundo a Asahi News, afiliada da CNN.

Este casamento durou cerca de 25 anos antes da morte de seu marido por doença em 1994.

Em 2007, ela iniciou um relacionamento com Toshiaki Suehiro, de 78 anos.

Na tarde de 18 de dezembro de 2007, Kakehi almoçou com Suehiro e seus filhos. Suehiro tomou seus medicamentos — entre eles, uma capsula de cianeto como uma das pílulas, preparada por Kakehi.

Cerca de 15 minutos depois do almoço, Suehiro caiu inconsciente na rua. Quando uma ambulância chegou, ele estava ofegante e “prestes a parar de respirar”.

Kakehi acompanhou Suehiro ao hospital — mas se apresentou como “Hiraoka” à equipe da ambulância e a família de Suehiro. No hospital, os médicos descobriram que ele corria risco de vida, após sofrer asfixia interna.

Suehiro sobreviveu — a única das quatro vítimas de Kakehi — mas ficou com “disfunção superior incurável e deficiência visual”. Ele morreu um ano e meio depois de uma doença não relacionada, de acordo com o Asahi News.

Alguns anos depois, Kakehi estava de olho em sua próxima vítima.

A vítima de motocicleta

Masanori Honda estava em boa forma nos seus 71 anos.

Em 2011, a sua diabetes havia diminuído para um “estado moderado” e ele costumava frequentar clubes esportivos.

Ele também estava empenhado em seu relacionamento com Kakehi.

Embora não esteja claro como eles se conheceram ou por quanto tempo eles namoraram, o casal disse a amigos mais tarde naquele ano que planejavam se casar.

Na primavera seguinte, Kakehi fez seu movimento.

Em 9 de março de 2012, ela conheceu Honda em uma loja, então os dois seguiram caminhos separados. Por volta das 17h daquele dia, ele perdeu a consciência enquanto andava de motocicleta. Menos de duas horas depois, no hospital, os médicos confirmaram sua morte.

As evidências mais tarde mostraram que Kakehi conviver com a Honda. Dois meses antes de sua morte, em janeiro de 2012, ela já havia começado a namorar secretamente outros homens por meio de uma agência de encontros.

O sobrevivente do câncer e a última vítima

Minoru Hioki lutou contra a solidão e uma recaída de câncer de pulmão em seus últimos anos. Mas em julho de 2013, a vida estava melhorando: seu câncer tinha sido quase completamente tratado com radioterapia e “ele estava com ótima saúde.”

Para culminar, o homem de 75 anos teve um novo interesse romântico.

Em agosto de 2013, Hioki parecia apaixonado Kakehi, escrevendo para ela em um e-mail que queria “ficar juntos para sempre”. Eles eram próximos, muitas vezes comendo juntos e passando a noite na casa um do outro.

O romance chegou ao fim em 20 de setembro, quando o casal saiu para jantar.

Hioki, como o segundo marido de Kakehi, Suehiro, costumava tomar medicamentos — então era fácil para ela dar a ele uma pílula de cianeto “sob o pretexto de comida saudável”. Eles tinham acabado de comer quando Hioki perdeu a consciência. Quando uma ambulância chegou, ele estava “respirando dolorosamente e ofegando”, de acordo com a decisão.

Apesar de saber que tinha filhos e havia se recuperado do câncer, Kakehi mentiu para a equipe da ambulância, alegando que não tinha família e estava sofrendo de câncer de pulmão terminal. Quando eles ofereceram o procedimento de ressuscitação, ela recusou. Ele morreu em duas horas.

Kakehi parecia ficar mais ousada em acumular relacionamentos e vítimas. Em novembro de 2013, apenas dois meses após a morte de Hioki, ela já havia se casado com seu próximo e último alvo — Isao Kakehi. E apenas um mês após o casamento, ela começou a namorar outro homem em segredo.

Mas Isao Kakehi não sabia e parecia entusiasmado. Em trocas de e-mail e mensagens, ele disse à sua nova esposa que queria “fazer o melhor para desfrutar de uma segunda vida brilhante e viver muito”.

Poucas semanas após o casamento, o recém-casado sofreu uma parada cardiorrespiratória logo após jantar em casa. Ela chamou a ambulância, que o levou às pressas para o hospital — mas ele morreu uma hora depois.

Sua morte despertou suspeitas sobre a série de amantes mortos por Kakehi, levando a uma investigação policial.

Pegando um assassino

Autópsias são raras no Japão e normalmente só são realizadas quando há suspeita de crime — o que pode ser o motivo pelo qual as mortes de seus ex-parceiros passaram despercebidas na época.

Mas a morte de Isao Kakehi foi considerada suspeita o suficiente para justificar uma autópsia, que revelou quantidades letais de íons de cianeto em seu coração, sangue e estômago, bem como erosão em seu estômago.

Dias depois de sua morte, as autoridades encontraram pílulas de suplementos de saúde e cápsulas vazias no apartamento de Kakehi — sugerindo que ela havia esvaziado os medicamentos e os recarregado com cianeto que havia sido reduzido a pó.

Em agosto de 2014, os investigadores descobriram a arma que matou Isao Kakehi. Enterrado em um vaso de plantas que sua esposa jogou fora, estava um saco plástico contendo vestígios de cianeto.

A cor da sacola e seu conteúdo sugeriam que o cianeto estava enterrado há meses — e o mesmo tipo de sacola de plástico com zíper foi encontrado no apartamento de Kakehi.

Dois meses depois, a polícia prendeu Kakehi. Após interrogatórios durante vários meses, Kakehi acabou confessando ter envenenado Honda, Hioki e Suehiro com cápsulas de cianeto.

A polícia também acreditava que Kakehi estava ligada às mortes de quatro outros homens, além dos quatro pelos quais ela foi acusada — mas os promotores decidiram não indiciá-la por causa de evidências insuficientes, de acordo com a NHK.

Pelo dinheiro

Os quatro homens viviam em cidades diferentes, trabalhavam em empregos diferentes e não tinham ligação entre si — exceto por uma coisa: todos eles tinham economias e bens consideráveis.

Isso, combinado com a idade avançada e o status de solteiros, os tornava alvos perfeitos.

O primeiro dos quatro envenenamentos foi causado por dívidas: Kakehi devia a Suehiro 48 milhões de ienes (cerca de US$ 437.000). Kakehi “pensou que ela o mataria e evitaria o reembolso.”

Dois meses após a morte de Suehiro em fevereiro de 2008, Kakehi escreveu uma carta a seus filhos dizendo que havia devolvido o dinheiro usando “a herança de outro homem”, de acordo com a decisão.

A carta chocou os filhos de Suehiro, que não sabiam dos empréstimos do pai e pouco sabiam sobre Kakehi. Eles nem sabiam o nome dela. Quando eles tentaram perguntar mais, ela “saiu em silêncio” — deixando-os sem respostas sobre o colapso de seu pai ou seu misterioso companheiro.

Não está claro qual era a situação financeira de Kakehi na época e se ela tinha suas próprias economias. Mas com a morte de sua quarta vítima, ela havia tirado tanto dinheiro que seu motivo não podia mais ser explicado por necessidade ou desespero — ela estava “desconsiderando a vida humana por seu próprio desejo financeiro”.

Kakehi ganhou cerca de 16 milhões de ienes (US$ 145.000) da Honda, que não especifica quanto ela embolsou dos outros homens. Asahi News, no entanto, estimou que Kakehi ganhou cerca de 500 milhões de ienes (US$ 4,5 milhões) no total com a herança de seus sócios, valores e outros ativos — algumas estimativas colocam esse número tão alto quanto 800 milhões de ienes (US$ 7,3 milhões).

Amor e golpes

O caso altamente divulgado de Kakehi empurrou fraudes amorosas para a consciência pública.

O Japão tem uma segunda assassina: Kanae Kijima, 46, que também está no corredor da morte por matar três homens que conheceu em sites de namoro em 2009, fazendo com que parecesse suicídio em todos os casos. Ela também foi motivada por dinheiro, de acordo com Asahi.

Após o julgamento de 100 dias de Kijama, ela foi condenada à morte em 2012.

Kakehi e Kijima estão no extremo “golpes de amor” – um tipo de fraude financeira que depende da formação de um relacionamento romântico com a vítima. A maioria não termina em envenenamento ou assassinato, com os perpetradores muitas vezes desaparecendo assim que suas vítimas esvaziam suas carteiras.

Mais de 32 milhões de usuários estão registrados nos 10 principais aplicativos de namoro do país, e cerca de 600 consultorias de namoro e casamento — como a que Kakehi usou — estão registradas em todo o país, de acordo com a Japan Life Design Counselor Association, que concede certificação a empresas que seguir seus padrões operacionais.

A Organização Japonesa de Aconselhamento para Transtorno de Personalidade e Fraude no Casamento, um grupo de apoio a vítimas de fraude com sede em Tóquio, diz que vê cerca de 100 casos de golpes amorosos todos os anos.

As vítimas costumam ser encontradas por meio de empresas de consultoria em casamento, usadas para encontrar um parceiro sério para o casamento, disse o porta-voz.

As vítimas tendem a ser divorciadas solitárias ou viúvas sem família, ou família que vive longe — e que podem ter revelado altos salários ou ativos financeiros em seus perfis, acrescentou o porta-voz.

Os golpistas costumam pedir às vítimas presentes de aniversário caros e outras demandas financeiras até que elas não tenham mais dinheiro para dar. Às vezes, as vítimas são forçadas a pedir dinheiro emprestado a agiotas para sustentar seus falsos amantes.

A defesa da demência

Não está claro por que Kakehi continuou matando homens que conheceu por meio de agências de namoro, mesmo depois de acumular uma fortuna de milhões de dólares.

O tribunal concluiu em sua decisão que Kakehi havia “aproveitado” a confiança de suas vítimas e sua esperança de um futuro juntos para realizar as mortes. Embora ela tenha confessado os crimes, ela ofereceu poucas desculpas às famílias das vítimas — mostrando uma falta de “autorreflexão sincera”, de acordo com a decisão.

Mas sua equipe de defesa viu isso de forma diferente. Eles basearam seu apelo em inconsistências em seu depoimento, apontando para sua confissão e sua retratação subsequente como evidência de demência e coerção.

No final das contas, sua equipe perdeu a apelação e sua sentença de morte foi mantida. Nenhuma data foi divulgada para a execução de Kakehi. Segundo a lei, os presos devem ser executados dentro de seis meses de sua audiência de sentença — mas os especialistas dizem que isso raramente acontece devido a tentativas prolongadas de apelação, e muitos acabam esperando anos.

Não está claro se os advogados de Kakehi, que não se pronunciaram, planejam entrar com um novo julgamento para impedir a execução de Kakehi.

Kakehi fez poucas declarações públicas e raramente falou com imprensa.

Seu depoimento no tribunal apresentou uma imagem contraditória de uma mulher que defendeu sua inocência, mas que já havia admitido abertamente seus crimes. Às vezes, durante o julgamento, ela parecia confusa e cansada. Seu cabelo ficou branco nos anos desde sua prisão em 2014 e sua audição piorou.

Com as alegações de demência que encobrem seus testemunhos e os supostos assassinatos adicionais pelos quais ela nunca foi indiciada, talvez nunca saibamos o que realmente aconteceu — ou o que a levou a começar a assassinar seus amantes no final de sua vida.

Em uma entrevista de 2019 ao jornal local Yomiuri News, Kakehi pareceu conformada com o destino que a aguarda.

“Mesmo se você refletir sobre isso, seus pecados não irão embora”, disse ela. “Não vai chegar aos mortos.”

(Este texto foi traduzido. Clique aqui para ler o original)

Postar um comentário

0 Comentários