Focus: projeção do mercado para inflação sobe a 8,35% em 2021

 

IFI fez alerta sobre parcelamento de precatórios
Com a projeção para a inflação cada vez mais alta, o mercado também segue subindo a expectativa para a taxa básica de juros. IFI fez alerta sobre parcelamento de precatórios. Getty Images/fStop

Os analistas do mercado financeiro seguem elevando as projeções para a inflação tanto em 2021 como 2022. Para este ano, a mediana das previsões para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) está em 8,35%, ante 7,11% há um mês. Já para o ano que vem, a estimativa subiu de 3,93% para 4,10% no período.

Os números são do Boletim Focus do Banco Central (BC), divulgado nesta segunda-feira (20). O documento reúne a estimativa de mais de 100 instituições do mercado financeiro para os principais indicadores econômicos.

De acordo com a meta de inflação fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), o IPCA não deveria ultrapassar os 5,25% este ano. O centro da meta é de 3,75%, no entanto, a margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo permite que o índice varie de 2,25% a 5,25%.

Com a projeção para a inflação cada vez mais alta, o mercado também segue subindo a expectativa para a taxa básica de juros. Enquanto este ano a Selic deve terminar em 8,25% ao ano, é esperado que a taxa alcance 8,50% a.a em 2022. A Selic é o principal ferramenta da autoridade monetária de controle inflacionário.

Atualmente, a taxa está em 5,25% ao ano. No entanto, o Comitê de Política Monetária Nacional (Copom) se reúne na próxima quarta-feira (22) e, de acordo com as expectativas do mercado, deve anunciar nova alta de até 1 ponto percentual.

Desempenho PIB

Após algumas semanas em queda, as perspectivas do mercado financeiro para o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021 permaneceram em 5,04%. Há um mês, o crescimento projetado era de 5,27%.

Por outro lado, a estimativa para o PIB de 2022, recuou plea terceira semana consecutiva, de 1,72% para 1,63%. Há quatro semanas o número era 2%.

Fonte: CNN Brasil

Postar um comentário

0 Comentários