Como vacinar adolescentes pode ajudar a conter Covid-19 e risco de variantes

 


Mais de 20 estados e o Distrito Federal decidiram manter a vacinação contra Covid-19 de adolescentes de 12 a 17 anos, apesar da recomendação feita pelo Ministério da Saúde na semana passada para que a imunização nesta faixa etária fosse suspensa. Na tarde de terça-feira (21), o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski decidiu que estados e municípios têm competência para decidir sobre a vacinação de maiores de 12 anos, a despeito das determinações do ministério.

A possível suspensão da vacinação de adolescentes também foi rejeitada por entidades médicas, como a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Desde o anúncio da recomendação do Ministério da Saúde, no último dia 16, pesquisadores têm reforçado o impacto positivo da vacina em menores de 18 anos para ajudar a conter a pandemia e reduzir o risco de disseminação de novas variantes da Covid-19.

Neste episódio do E Tem Mais, Roberta Russo apresenta um balanço do impasse sobre a vacinação de adolescentes contra Covid-19 no Brasil. Para tratar do assunto, participam deste episódio o médico Alberto Chebabo, vice-presidente da SBI, e o pesquisador Flávio Guimarães da Fonseca, presidente da Sociedade Brasileira de Virologia e membro do Centro de Tecnologia em Vacinas (CT-Vacinas) da UFMG.

Postar um comentário

0 Comentários