5 coisas sobre Evergrande, o império empresarial chinês à beira do precipício

 

China Evergrande Centre no distrito de Wan Chai, em Hong Kong
Uma das maiores incorporadoras imobiliárias da China está mergulhada em dívidas e ameaça calote que pode estremecer sistema financeiro chinês. China Evergrande Centre no distrito de Wan Chai, em Hong Kong. Reprodução

Os problemas do conglomerado chinês Evergrande dominaram as manchetes nos últimos dias, depois que ele advertiu mais uma vez que poderia dar um calote em sua dívida astronômica por causa de uma crise de caixa.

Os especialistas caracterizaram as dificuldades da empresa como um grande teste para Pequim, que corre o risco de se transformar no Lehman Brothers da China, enviando ondas de choque na segunda maior economia do mundo.

Aqui está o que você precisa saber sobre Evergrande e como ele chegou onde está agora.

O que é Evergrande?

Evergrande é uma das maiores incorporadoras imobiliárias da China. A empresa faz parte do Global 500 – o que significa que também é uma das maiores empresas do mundo em receita.

Listada em Hong Kong e sediada na cidade de Shenzhen, no sul da China, ela emprega cerca de 200 mil pessoas. Também ajuda indiretamente a sustentar mais de 3,8 milhões de empregos a cada ano.

O grupo foi fundado pelo bilionário chinês Xu Jiayin, também conhecido como Hui Ka Yan em cantonês, que já foi o homem mais rico do país.

Evergrande fez seu nome em propriedades residenciais – ele se orgulha de ter “mais de 1.300 projetos em mais de 280 cidades” em toda a China – mas seus interesses vão muito além disso.

Fora da habitação, o grupo tem investido em veículos elétricos, esportes e parques temáticos. Ela ainda possui uma empresa de alimentos e bebidas, vendendo água engarrafada, mantimentos, laticínios e outros produtos em toda a China.

Em 2010, a empresa comprou um time de futebol, hoje conhecido como Guangzhou Evergrande. Desde então, esse time construiu o que se acredita ser a maior escola de futebol do mundo, a um custo de US$ 185 milhões para Evergrande.

O Guangzhou Evergrande continua a atingir novos recordes: atualmente está trabalhando na criação do maior estádio de futebol do mundo, assumindo que a construção seja concluída no próximo ano, conforme o esperado. O estádio de US$ 1,7 bilhão tem o formato de uma flor de lótus gigante e terá capacidade para 100 mil espectadores.

Evergrande também atende turistas por meio de sua divisão de parques temáticos, Evergrande Fairyland. Sua reivindicação à fama é um empreendimento gigantesco chamado Ocean Flower Island em Hainan, a província tropical na China comumente conhecida como o “Havaí Chinês”.

O projeto inclui uma ilha artificial com shoppings, museus e parques de diversão. De acordo com o relatório anual mais recente do grupo, ele começou a aceitar clientes em caráter experimental no início deste ano, com planos de inauguração total “no final de 2021”.

Como surgiram os problemas?

Nos últimos anos, as dívidas da Evergrande aumentaram à medida que ela fazia empréstimos para financiar suas várias atividades.

O grupo ganhou a infâmia por se tornar o desenvolvedor mais endividado da China, com passivos no valor de mais de US$ 300 bilhões.

Nas últimas semanas, alertou os investidores sobre problemas de fluxo de caixa, dizendo que poderia entrar em default se não conseguir levantar dinheiro rapidamente.

Esse alerta foi ressaltado na terça-feira (14), quando a Evergrande revelou em um documento na bolsa de valores que estava tendo problemas para encontrar compradores para alguns de seus ativos.

De certa forma, as ambições agressivas da empresa foram o que a levou a uma situação difícil, de acordo com especialistas.

O grupo “se afastou muito de seu negócio principal, que é parte de como ele entrou nessa confusão”, disse Mattie Bekink, diretor da Economist Intelligence Unit para a China.

Os analistas da Goldman Sachs dizem que a estrutura da empresa também tornou “difícil determinar um quadro mais preciso de [sua] recuperação”.

Em nota esta semana, eles apontaram para “a complexidade do Grupo Evergrande e a falta de informações suficientes sobre os ativos e passivos da empresa”.

Mas as lutas do grupo também são emblemáticas dos riscos subjacentes na China.

“A história de Evergrande é a história dos desafios profundos [e] estruturais para a economia da China relacionados à dívida”, disse Bekink.

O problema não é totalmente novo. No ano passado, uma série de empresas estatais chinesas não pagaram seus empréstimos, aumentando os temores sobre a dependência da China de investimentos alimentados por dívidas para apoiar o crescimento.

E em 2018, o bilionário Wang Jianlin foi forçado a reduzir o tamanho de seu conglomerado, Dalian Wanda, enquanto Pequim reprimia as firmas que tomavam empréstimos pesados ​​para fazer negócios no exterior.

Em nota na quarta-feira, Mark Williams, economista-chefe da Capital Economics para a Ásia, disse que o colapso de Evergrande “seria o maior teste que o sistema financeiro da China enfrentou nos últimos anos”.

“A raiz dos problemas de Evergrande – e aqueles de outras incorporadoras altamente alavancadas – é que a demanda por imóveis residenciais na China está entrando em uma era de declínio sustentado”, escreveu ele.”

O colapso contínuo de Evergrande chamou a atenção para o impacto que uma onda de inadimplências de incorporadoras imobiliárias teria no crescimento da China. ”

Como é tentar seguir em frente?

Na terça-feira, a Evergrande anunciou que havia contratado consultores financeiros para ajudar a avaliar a situação.

Embora essas empresas tenham a tarefa de explorar “todas as soluções viáveis” o mais rápido possível, Evergrande advertiu que nada é garantido.

Até agora, o conglomerado tem lutado para conter o sangramento e não conseguiu encontrar compradores para peças de seus veículos elétricos e negócios de serviços imobiliários.

Até a terça-feira, ela não havia feito “nenhum progresso material” em sua busca por investidores e “não se sabe se o grupo será capaz de consumir tal venda”, disse a agência.

A empresa também está tentando vender sua torre de escritórios em Hong Kong, que comprou por cerca de US$ 1,6 bilhão em 2015. Mas isso “não foi concluído dentro do prazo esperado”, disse a empresa.

Como os investidores estão reagindo?

Os problemas de Evergrande espalharam-se pelas ruas esta semana, quando os protestos irromperam em sua sede em Shenzhen.

Imagens da Reuters mostraram vários manifestantes no local na segunda-feira (13), abordando alguém identificado como representante da empresa.

Mas os acionistas estão cautelosos há meses: as ações caíram 80% de seu valor este ano. Na semana passada, a Fitch e a Moody’s Investors Services rebaixaram as classificações de crédito da Evergrande, citando seus problemas de liquidez.

“Vemos algum tipo de inadimplência como provável”, escreveu Fitch em nota na terça-feira.

A situação pode assustar os investidores na China de forma mais ampla, em um momento em que eles já estão se recuperando da repressão de Pequim às empresas do setor privado, especialmente no setor de tecnologia.

“Em nossa opinião, a forma como as tensões de crédito em Evergrande serão resolvidas irá impulsionar o sentimento do mercado”, escreveram os analistas do Goldman Sachs, referindo-se ao mercado de crédito e à economia em geral. Eles acrescentaram que o mercado de títulos chinês pode ser atingido e uma perda de confiança pode “se espalhar para o setor imobiliário mais amplo”.

Wall Street parece mais otimista quanto aos riscos de contágio no exterior.

“Não acho que o colapso de Evergrande e os problemas financeiros das empresas imobiliárias chinesas de forma mais ampla repercutirão na economia ou nos mercados dos EUA”, disse Mark Zandi, economista-chefe da Moody’s Analytics, à CNN Business.

O que pode acontecer a seguir?

Os analistas esperam que o governo chinês intervenha para limitar as consequências caso Evergrande entre em default. E as autoridades estão claramente observando de perto, enquanto tentam projetar calma.

Na quarta-feira, Fu Linghui, porta-voz do Escritório Nacional de Estatísticas da China, reconheceu as dificuldades de “algumas grandes empresas imobiliárias”, segundo a mídia estatal.

Sem nomear Evergrande diretamente, Fu disse que o mercado imobiliário da China permaneceu estável este ano, mas o impacto dos eventos recentes precisam ser observados.

Williams, da Capital Economics, prevê que o banco central do país “entraria com suporte de liquidez” se os temores de um grande calote se intensificassem.

Diz-se que as autoridades estão agindo. Na terça-feira, a Bloomberg citou fontes anônimas como dizendo que os reguladores contrataram o escritório de advocacia internacional King & Wood Mallesons, entre outros consultores, para examinar as finanças do conglomerado. King & Wood Mallesons não quis comentar.

De acordo com o relatório, as autoridades da província natal de Evergrande, Guangdong, já rejeitaram um pedido de resgate de seu fundador. As autoridades de Guangdong e Evergrande não responderam a um pedido de comentários.

Mas alguns sugerem que já pode ser tarde demais para salvar a empresa.

Os problemas financeiros de Evergrande foram amplamente apelidados pela mídia chinesa como “um enorme buraco negro”, o que implica que nenhuma quantia de dinheiro pode resolver o problema.

“No final das contas, esperamos que o governo intervenha no caso de Evergrande, já que não permitirá que a inadimplência da empresa se espalhe pelo sistema bancário”, disse Bekink.

“Os impactos de um grande calote de Evergrande seriam notáveis.”

(Kristie Lu Stout, Julia Horowitz, Laura He e o escritório da CNN em Pequim contribuíram para esta reportagem)

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês.)

Fonte: CNN Brasil

Postar um comentário

0 Comentários