Rifles, veículos e muita munição: Talibã exibe arsenal ‘herdado’ dos EUA

 

Combatentes do Talibã com armas de ataque dos EUA são fotografados em um desfile do Dia da Independência na cidade de Qalat, Afeganistão, na quinta-feira (19)
Combatentes do Talibã com armas de ataque dos EUA são fotografados em um desfile do Dia da Independência na cidade de Qalat, Afeganistão, na quinta-feira (19). Taliban

CNN Brasil - Oficiais de segurança nacional dos EUA estão trabalhando para contabilizar mais de 20 anos de armas fornecidas aos militares afegãos, enquanto imagens de combatentes do Talibã brandindo rifles de fabricação americana e andando em Humvees abandonados estão levantando preocupações sobre o que mais foi deixado para trás.

O recém-descoberto arsenal americano do Talibã provavelmente não se limita a armas pequenas, já que o grupo capturou estoques consideráveis ​​de armas e veículos mantidos em redutos antes controlados por forças apoiadas pelos EUA, incluindo veículos modernos resistentes a minas (MRAPs).

As estimativas iniciais sugerem que o grupo pode agora possuir vários helicópteros Black Hawk e outras aeronaves militares financiadas pelos EUA, de acordo com uma fonte do Congresso familiarizada com as primeiras avaliações fornecidas por oficiais de Defesa.

 

Isso potencialmente inclui cerca de 20 aviões de ataque A-29 Tucano, disse a fonte, observando que há alguns indícios de que apenas um pequeno número de aeronaves foi realocado de uma base em Kandahar antes de ser invadida pelo Talibã.

“Também estamos preocupados que alguns possam acabar nas mãos de outros grupos que apoiam a causa”, disse a fonte do Congresso à CNN. “Meu maior medo é que o armamento sofisticado seja vendido aos nossos adversários e outros atores não-estatais que pretendem usá-lo contra nós e nossos aliados.”

Não está claro exatamente quanto equipamento caiu nas mãos do Talibã durante o colapso do exército afegão, e é improvável que os EUA obtenham uma resposta precisa para essa pergunta, porque não há mais tropas americanas e presença de inteligência em todo o país. “Não temos noção exata sobre o que restou”, disse um funcionário.

O governo Biden enfrentou uma onda de críticas por não ter previsto a rápida tomada de controle do Afeganistão pelo Talibã e pelo caos que se desenrolou no aeroporto de Cabul enquanto milhares de pessoas tentavam fugir do país.

As operações de evacuação continuam sendo o foco principal do governo, mas funcionários do Pentágono e do Departamento de Estado também estão começando a fazer um balanço das armas americanas que caíram nas mãos do Talibã, um esforço que provavelmente levará semanas ou meses devido ao grande volume de armas fornecidas às forças afegãs nas últimas duas décadas.

Neste ínterim, fotografias e vídeos mostrando combatentes do Taleban carregando carabinas M4 e rifles M16 fornecidos pelos EUA estão alimentando questões sobre quanto poder de fogo americano o grupo agora tem à sua disposição após tomar bases militares em todo o Afeganistão.

Embora as autoridades americanas enfatizem que é muito cedo para fornecer detalhes sobre armas e veículos específicos agora sob controle do Talibã, autoridades do Pentágono já expressaram preocupação.

“Quando se trata de equipamento fornecido pelos EUA que ainda está no Afeganistão e pode não estar nas mãos da ANSF (Força de Segurança Nacional Afegã), existem várias opções que temos à nossa disposição para tentar lidar com esse conjunto de problemas”, O porta-voz do Pentágono, John Kirby, disse na quinta-feira (19).

“Obviamente, não queremos ver nosso equipamento nas mãos de quem agiria contra nossos interesses ou o interesse do povo afegão e aumentaria a violência e a insegurança dentro do Afeganistão”, acrescentou.

No momento, não há planos para os EUA tomarem qualquer ação para destruir as armas usando ataques aéreos ou outros meios, a menos que algo represente uma ameaça direta às tropas americanas no aeroporto, disseram funcionários do governo.

A destruição e remoção de equipamentos dos EUA no Afeganistão começaram para valer logo depois que o governo Trump assinou o acordo de Doha em fevereiro de 2020, e os militares começaram a reduzir seu contingente de 8,5 mil soldados para 2,5 mil. Mas começou, em um ritmo mais lento, mesmo antes disso, quando em 2018 os níveis de força dos EUA caíram para menos de 14 mil.

Entre 2013 e 2016, os EUA deram às forças afegãs mais de 600 mil armas leves, como rifles M16 e M4 e quase 80 mil veículos, bem como óculos de visão noturna, rádios e muito mais, de acordo com um relatório de 2017.

Ainda mais recentemente, o Departamento de Defesa dos EUA forneceu aos militares afegãos 7 mil metralhadoras, 4,7 mil Humvees e mais de 20 mil granadas entre 2017 e 2019, revelou um relatório do inspetor geral especial para a reconstrução do Afeganistão.

Só nos últimos dois anos, os EUA também deram aos militares afegãos mais de 18 milhões de cartuchos de munição de 7,62 mm e calibre .50, de acordo com uma contagem dos relatórios trimestrais do inspetor geral especial.

Parte disso, sem dúvida, caiu nas mãos do Talibã, dizem as autoridades. Nas semanas finais da retirada, vários ataques foram planejados para inutilizar estes equipamentos, mas os norte-americanos não destruíram tudo que foi deixado para os militares afegãos porque acreditaram, até que fosse tarde demais, que as forças afegãs reagiriam.

No entanto, o fato de um número significativo de armas e veículos ter sido deixado para trás é um sintoma da falta de planejamento mais ampla que ocorreu na própria retirada, de acordo com Bill Roggio, do Long War Journal.

“Houve tantos problemas com a decisão de retirada que, assim que ela foi tomada pelo presidente Biden, se tornou o foco único dos militares”, disse.

“Ele não teve tempo de considerar como fazer a transição, coisas como como o Afegão operaria por conta própria e manteria sua própria aeronave. Como os EUA fariam a transição dos sistemas de armas para os afegãos e para avaliar a viabilidade das forças de segurança afegãs”, acrescentou.

Mesmo antes do anúncio de retirada de Biden no início deste ano, as autoridades dos EUA reconheceram alguns equipamentos poderia ter que ser destruídos ou entregues aos militares afegãos, observando que esta última opção carregava um risco óbvio.

Encontrar o equilíbrio certo entre deixar recursos suficientes para as forças afegãs continuarem lutando e mitigar o risco de armas caírem em mãos erradas sempre seria um desafio difícil para os militares dos EUA, mas foi agravado pelo fato de que o governo Biden foi aparentemente pego de surpresa pela velocidade do avanço do Talibã, algo que o presidente e as principais autoridades reconheceram publicamente.

Embora o grupo possa certamente fazer uso imediato de armas pequenas e veículos blindados fabricados nos Estados Unidos, as autoridades estão céticas quanto à possibilidade de transformar aeronaves americanas em uma unidade de combate viável.

“Nossos soldados, marinheiros e aviadores passam meses e meses treinando para usar estas aeronaves”, disse um oficial. “O Talibã não.”

“O armamento mais sofisticado é um desafio muito maior”, disse Roggio à CNN.

“Será muito difícil para eles manterem os helicópteros e aviões viáveis ​​por um longo período de tempo. Menos ainda com os aviões russos, com os quais eles têm mais experiência, e os paquistaneses também podem ajudar nisso”, acrescentou. “Eles podem ser capazes de usar a aeronave a curto e médio prazo, mas sem algum tipo de cadeia de suprimentos isso torna sua vida útil relativamente curta.”

“O que eles realmente ganharam em poder de combate são os veículos blindados e os veículos blindados leves e até mesmo alguns tanques e peças de artilharia”, disse Roggio.

*Texto traduzido, clique aqui para ler o conteúdo original

Postar um comentário

0 Comentários