Enchente na Europa pode ser 'catástrofe histórica' e deixa 157 mortos

 

Alemanha registra pelo menos 133 mortes; Luxemburgo e Holanda também foram afetados pelas chuvas extremas, mas não relataram nenhuma morte


CNN Brasil - O número de pessoas mortas nas enchentes catastróficas em partes da Europa subiu para 157 na manhã deste sábado (17), enquanto uma busca desesperada por sobreviventes continua apesar do aumento das águas, deslizamentos de terra e cortes de energia.

Pelo menos 133 pessoas morreram na Alemanha quando as enchentes atingiram os estados ocidentais da Renânia do Norte-Vestfália, Renânia-Palatino e Sarre. Na Bélgica, foram confirmados 24 mortos, com autoridades alertando que o número pode aumentar.

Luxemburgo e Holanda também foram afetados pelas chuvas extremas, mas não relataram nenhuma morte.

As imagens mostraram cidades e vilas inteiras debaixo d'água, carros presos entre prédios desabados e casas enterradas sob deslizamentos de terra e escombros.

Marie-Louise Grosjean, dona de uma loja em Pepinster, Bélgica, viu uma década de trabalho árduo varrida pela água e pela lama na sexta-feira (16), quando a água entrou em sua loja de vinhos e decorações. Ela disse que seu pai mora na cidade há 70 anos e nunca viu nada parecido. O filho de Grosjean, Arthur, disse à CNN que as inundações acontecem muito rapidamente, deixando apenas destruição para trás.

"Felizmente eu não moro lá, mas isso causa problemas para os negócios da minha mãe — e não há nada lá. Esperamos poder consertar rapidamente, mas não sabemos como", disse ele, enquanto ajudava na limpeza.

As linhas de comunicação permanecem interrompidas, deixando as pessoas incapazes de contatar seus entes queridos.

A polícia em Koblenz disse à CNN no sábado que embora até 1.300 pessoas ainda não tenham sido encontradas, as autoridades esperam que os números sejam revisados para baixo à medida que a operação de resgate continua.

"Não há fim à vista ainda", disse Ulrich Sopart, porta-voz da polícia na cidade, à CNN. “Esperamos que algumas pessoas tenham sido registradas como desaparecidas duas ou até três vezes — se, por exemplo, um membro da família, um colega de trabalho ou um amigo registrou uma pessoa como desaparecida”, disse Sopart.

"Além disso, [em] alguns lugares as linhas telefônicas ainda estão desligadas e a recepção é difícil. Esperamos que as pessoas entrem em contato com um parente, colega de trabalho ou amigo para que saibam que estão bem", disse ele.

O Exército alemão mobilizou 850 soldados para socorrer o desastre e o presidente alemão Frank-Walter Steinmeier deve visitar o distrito de Rhein-Erft, no estado da Renânia do Norte-Vestfália, no sábado, disse seu gabinete.

As aldeias ao longo do rio Ahr ficaram sem energia e cobertura de telefone, com algumas áreas completamente cortadas, forçando os militares e helicópteros de busca e salvamento a pesquisar a área do ar, em busca de sobreviventes presos.

Uma barragem ao longo do rio Rur na Renânia do Norte-Vestfália rompeu na noite de sexta-feira, de acordo com o governo regional. As autoridades começaram a evacuação de cerca de 700 residentes no bairro de Ophoven, na cidade de Wassenberg.

Do outro lado da fronteira com a Bélgica, o exército belga está correndo contra o tempo com operações de busca e resgate.

"A situação está mudando a cada minuto e permanece extremamente crítica em muitos lugares", disse o primeiro-ministro Alexander De Croo em entrevista coletiva na sexta-feira. “As vítimas são a prioridade, o resgate é a prioridade e os cuidados. Todos os meios possíveis estão mobilizados”, acrescentou, anunciando que a Bélgica vai realizar um dia nacional de luto pelas vítimas das cheias na terça-feira.

Enquanto isso, na Holanda, as autoridades ordenaram a evacuação de 10.000 pessoas no município de Venlo, onde o rio Maas subiu mais rápido do que o esperado. As marés devem durar até domingo à noite.

Autoridades temem que mais represas possam romper e estão monitorando de perto os reservatórios da região. Na sexta-feira, um hospital da região com 200 pacientes foi evacuado.

Crise climática gerando chuvas extremas

As inundações devastadoras ocorreram depois que grandes áreas da Europa Ocidental experimentaram níveis históricos de chuvas, com mais de um mês de chuva caindo em 24 horas.

Colônia, na Renânia do Norte-Vestfália, registrou 154 milímetros (6 polegadas) de chuva nas 24 horas até a manhã de quinta-feira, o que é quase o dobro da média mensal de julho de 87 milímetros. No distrito de Ahrweiler, 207 milímetros (8,1 polegadas) de chuva caíram em apenas nove horas, de acordo com o European Severe Weather Database.

As chuvas resultaram em enchentes extremas, com o nível da água subindo em minutos.

Embora seja muito cedo para os cientistas dizerem o grande papel que a mudança climática desempenhou na causa dessa enchente específica, chuvas extremas como as vistas na Europa Ocidental esta semana estão se tornando mais comuns e mais severas.

Enchente na Alemanha
Enchente na Alemanha
Foto: Benjamin Westhoff/Getty Images

O premiê da Renânia do Norte-Vestfália na Alemanha, Armin Laschet, que também é o candidato do partido dos conservadores para suceder a chanceler Angela Merkel nas próximas eleições federais, disse que as inundações em seu estado foram "uma catástrofe de proporções históricas", apelando ao mundo para acelerar seus esforços para mitigar e se adaptar às mudanças climáticas.

"As enchentes literalmente puxaram o tapete debaixo dos pés das pessoas", disse Laschet.
"Seremos confrontados com tais eventos repetidamente, e isso significa que precisamos acelerar as medidas de proteção do clima, nos níveis europeu, federal e global, porque a mudança climática não está confinada a um estado”, disse ele.

Embora a quantidade geral de chuva possa não mudar ao longo do ano em qualquer local, espera-se que mais chuva caia em rajadas mais curtas, o que tenderia a aumentar a frequência dos eventos de inundação.

Isso foi notado por cientistas da Agência Ambiental Europeia, que disseram que "o aumento projetado na frequência e intensidade da forte precipitação em grandes partes da Europa pode aumentar a probabilidade de inundações repentinas, que representam o maior risco de morte". 

As secas, que também estão se tornando mais comuns devido à crise climática, podem piorar as inundações repentinas porque o solo muito seco não consegue absorver água com eficiência.

Uma inundação de 2016 na Europa Ocidental que matou 18 pessoas na Alemanha, França, Romênia e Bélgica foi analisada por cientistas para ver se as mudanças climáticas tiveram um papel nas inundações.

Eles descobriram que um clima mais quente tornava as inundações 80-90% mais prováveis de ocorrer do que no passado antes das mudanças climáticas causadas pelo homem.

enchente Europa
Ponte do distrito de Ahrweiler, na Alemanha, ficou intransitável após a tempestade com maré alta. Pelo menos seis casas foram destruídas pel...Crédito: Boris Roessler/picture alliance via Getty Images
  • enchente Europa
  • Enchentes Europa
  • Enchente Europa
  • Alemanha foi um dos países europeus mais atingidos por fortes enchentes

(Texto traduzido. Leia o original em inglês.)

Postar um comentário

0 Comentários