Standard & Poor's mantém nota da dívida do governo brasileiro

 

Alta das commodities ajuda recuperação, diz agência de classificação

A agência de classificação de risco Standard & Poor's Global (S&P Global) manteve a nota da dívida pública brasileira, com perspectiva estável, sem chances de mudanças em breve. A decisão foi divulgada no fim da tarde desta quarta-feira (2) e ocorre seis meses depois da última avaliação, apresentada em dezembro.


A perspectiva estável significa que a agência não pretende mudar a nota do país na próxima análise. Atualmente, a S&P Global concede nota BB- para o Brasil, três níveis abaixo do grau de investimento, garantia de que o país não corre risco de dar calote na dívida pública. A perspectiva positiva indicava que a nota poderia ser elevada.

A agência estima que o Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) crescerá 4% em 2020 e 2,2% ao ano, em média, entre 2021 e 2024. Segundo a agência, a alta internacional no preço das commodities melhorou os termos de troca (resultado de transações com outros países) do Brasil. Além disso, a fraca base de comparação em relação ao ano passado criou um efeito estatístico favorável ao crescimento neste ano.

Apesar da perspectiva de crescimento, a S&P Global manifestou preocupação com a “natureza duradoura” da pandemia de covid-19. Para a agência, o avanço da doença no país cria incertezas “significativas” para o desempenho da economia brasileira no curto e no médio prazo, com a recuperação dependendo do ritmo de vacinação.

Outros riscos citados no comunicado foram a aceleração da inflação, que deverá fazer o Banco Central continuar a aumentar a taxa Selic (juros básicos da economia). O aperto monetário pode comprometer o crescimento caso a inflação suba mais que o esperado.

A S&P Global informou que o reequilíbrio das contas públicas entre 2021 e 2024 deve ser lento, com a dívida pública continuando a subir nos próximos anos. A nota citou as condições externas “benignas” decorrentes da alta das exportações e um grande programa de concessões como fatores que devem atrair investimentos para o país neste ano.

Congresso

 A agência recomendou a aprovação de reformas macroeconômicas para ajudar a conter o crescimento dos gastos públicos. No entanto, informou não esperar a aprovação de “complexas reformas fiscais” nos próximos dois anos por causa das eleições de 2022. Mesmo assim, a S&P Global prevê eventuais avanços, caso o Congresso aprove as reformas administrativa e tributária, reduzindo a pressão sobre as finanças públicas e atraindo investimentos privados no médio prazo.

Desde janeiro de 2018, a S&P Global enquadra o Brasil três níveis abaixo do grau de investimento, mesma nota concedida pela Fitch, outra das principais agências de classificação de risco. A Moody’s classifica o país dois níveis abaixo do grau de investimento.

Edição: Nádia Franco


Fonte: Agência Brasil

Postar um comentário

0 Comentários