Prefeito dialoga com empresários para adiar feriado de São João em Feira de Santana

 


Acorda Cidade - O prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins, solicitou ontem (10) às entidades que representam a indústria e o comércio para analisarem junto com seus funcionários a possibilidade de adiar pelo segundo ano consecutivo o feriado de São João, comemorado no dia 24 de junho (quinta-feira).

De acordo com o prefeito, a preocupação é que a proximidade do feriado de São João, que é municipal, com o feriado de 2 de julho (Independência da Bahia), que é estadual, resulte em uma nova explosão de casos de covid-19 nos dias seguintes.

“Se houver um acordo entre os empresários e os funcionários do setor do comércio e indústria, a gente pode fazer como no ano passado, de adiar o feriado de 24 de junho. Essa é uma decisão que não posso tomar sozinho. É preciso que os sindicatos tanto da indústria quanto do comércio se entendam pra que a gente possa adiar esse feriado, que será numa quinta-feira, meio de semana. A ideia foi o que eu propus ontem, que os setores possam adiar, como fizemos no ano passado. 2 de julho é um feriado estadual, não é municipal. Portanto, não há como ter decisão de Feira de Santana, mas do dia 24 sim, porque senão no dia 7 de julho estaremos diante de uma nova crise de casos de covid-19”, afirmou o gestor municipal.

Ele lembrou que no ano passado foi feito dessa forma também, em razão da grave crise enfrentada naquele momento. “A mesma semelhança do que aconteceu no ano passado está acontecendo agora também. Inclusive o governador deve suspender o transporte intermunicipal a partir do dia 21, e nós vamos solicitar que o governo antecipe a suspensão do transporte rodoviário e há necessidade de fiscalização das vans, que continuam transitando pelas estradas do município.”

O prefeito Colbert Martins confirmou também a possibilidade de novas medidas de restrição serem adotadas nos próximos dias em Feira de Santana, a fim de conter o aumento de casos e internações no município.

“Estou conversando mais uma vez com a nossa coordenadora do Comitê de Covid-19, que é a infectologista Melissa Falcão, ela que nos dá as orientações e sugestões, e vamos ver como poderemos fazer isso. O Hospital de Campanha hoje está superlotado, os 18 leitos de UTI, e dos 44 leitos clínicos, 39 estão ocupados. O Hospital Dom Pedro, que completa 30 dias amanhã, está lotado, e não passou nem dois ou três dias sem que estivesses lotados os oito leitos. E a informação que eu tenho é que os hospitais privados estão com quantidade de vagas pequenas, o Clériston Andrade também, e as Upas”, afirmou. 

Postar um comentário

0 Comentários