Baleias estão menores devido à pesca, dizem estudos

 Baleias francasAs mudanças nas condições do oceano que afetam a disponibilidade de presas também podem estar desempenhando um papel na redução do comprimento do corpo das baleias francas do Atlântico Norte. Foto: Michael mooreycarokym millerywho


CNN Brasil - Cientistas descobriram que, embora as baleias francas sejam protegidas da captura direta, elas são significativamente mais baixas em comparação com 40 anos atrás, devido, em parte, à pesca comercial, de acordo com um novo estudo.

O estudo - escrito por Joshua Stewart da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) e seus colegas no New England Aquarium, Oregon State University e Woods Hole Oceanographic Institution - documenta os desafios enfrentados pelas baleias francas, conforme indicado por mudanças em seus características da história de vida, incluindo tamanho, de acordo com um comunicado à imprensa.

"Em média, espera-se que uma baleia nascida hoje alcance um comprimento total cerca de um metro mais curto do que uma baleia nascida em 1980", disse Stewart.

"Isso representa um declínio médio no comprimento de cerca de 7%. Mas isso é apenas a média - também há alguns casos extremos em que as baleias jovens são vários metros mais curtas do que o esperado."

As baleias foram um estudo de caso ideal porque têm sido monitoradas de forma consistente desde os anos 1980, com informações de nível individual sobre idade e tamanho e registros detalhados de emaranhamentos de equipamentos acoplados, disse o comunicado.

"Grandes impactos na história de vida como este foram documentados em espécies comerciais fortemente exploradas, especialmente peixes, mas até onde sabemos, esta é a primeira vez que esses tipos de impactos são registrados em um grande mamífero", disse Stewart.

Os pesquisadores usaram medições de fotogrametria aérea coletadas de aeronaves tripuladas e drones operados remotamente ao longo de um período de 20 anos para procurar mudanças no comprimento do corpo das baleias. Além dos tamanhos menores, os pesquisadores descobriram que as populações de baleias francas estão lutando para sobreviver.

John Durban, da Oregon State University, disse que os pesquisadores foram capazes de desenvolver seus trabalhos anteriores que usaram aeronaves convencionais no início dos anos 2000, adotando uma nova tecnologia de drones para estender a série temporal.

"Em ambos os casos, fomos capazes de medir as baleias voando com uma câmera bem acima delas, essencialmente fazendo um exame de saúde sem que soubessem que estávamos lá", disse ele.

O monitoramento permitiu verificar quais os efeitos de emaranhados severos e prolongados em redes e outros equipamentos de pesca sobre a aptidão das baleias francas em longo prazo, bem como outros fatores ambientais, como batidas de navios e mudanças na fonte de alimento.

"Estudos anteriores mostraram que o aumento do arrasto causado pelo emaranhamento de equipamentos requer que as baleias francas gastem muita energia extra apenas para realizar suas atividades normais, e essa energia elas poderiam gastar no crescimento ou reprodução", disse Stewart. "Em alguns casos, os enredamentos podem ser letais, mas acontece que mesmo os enredamentos subletais podem ter impactos duradouros sobre as baleias francas."

O estudo descobriu que quanto menor a baleia, maior a probabilidade de um emaranhamento se tornar letal, porque a energia armazenada no animal será menor. Com base nas descobertas, os pesquisadores pedem ações de gestão mais fortes para reduzir os impactos das artes de pesca e das operações dos navios.

Os pesquisadores também planejam estudar as baleias francas fêmeas e ver se a reprodução é um fator negativo para o tamanho reduzido.

(Esta matéria foi traduzida. Clique aqui para ler a versão original)

Postar um comentário

0 Comentários