Pazuello nega ao Exército transgressão militar e fala em 'honra pessoal'

 

Eduardo Pazuello discursa no Rio sem máscara ao lado de Jair Bolsonaro durante a


CNN Brasil - O ex-ministro Eduardo Pazuello negou ao Exército que tenha incorrido em uma transgressão militar ao participar de um ato com o presidente Jair Bolsonaro no último domingo, no Rio.

Pazuello, que é general da ativa, recorreu ao artigo 6 do Regimento Disciplinar do Exército para apontar que sua participação no ato se deve a “honra pessoal”.

O trecho diz que a aplicação do regimento do Exército deve considerar 
“I - honra pessoal: sentimento de dignidade própria, como o apreço e o respeito de que é objeto ou se torna merecedor o militar, perante seus superiores, pares e subordinados”
A ideia é que não se aplica a ele a transgressão número 56 do Regimento, "manifestar-se, publicamente, o militar da ativa, sem que esteja autorizado, a respeito de assuntos de natureza político-partidária", porque deve-se considerar o apreço que seu superior, o presidente Jair Bolsonaro, comandante-em-chefe das Forças Armadas, tem por ele.  

Além disso, na defesa ele esclarece que se tratava de um passeio motociclístico que ele foi convidado a participar e a certa altura convidado sem que esperasse a subir no trio elétrico em que estava o presidente.

Postar um comentário

0 Comentários