Brasil tem 2.211 mortes e 85.536 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 h

 Enterro de vítima da Covid-19 no cemitério da Vila Formosa, em São PauloEnterro de vítima da Covid-19 no cemitério da Vila Formosa, em São Paulo. Foto: Antonio Molina/Zimel Press/Estadão Conteúdo (30.mar.2021)


CNN Brasil - Nas últimas 24 horas o Brasil somou 2.211 mortes e 85.536 novos casos de Covid-19, segundo dados consolidados pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) nesta sexta-feira (14). 

Com a atualização dos números, o país passa a ter 432.628 mortes e 15.519.525 contaminações pelo novo coronavírus, desde o início da pandemia. Índices que levam o Brasil ao segundo posto de país com mais mortes pela doença, atrás dos EUA, com 584 mil óbitos, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

Dentre os países com mais infectados pelo vírus, o Brasil ocupa a terceira colocação, tendo menos contaminações apenas do que os EUA e a Índia. 

Algumas regiões do Brasil, como o estado de São Paulo, por exemplo, já soma mais mortes pela doença do que países como a Espanha, Alemanha e a Argentina. 

São Paulo é estado brasileiro mais atingido pela pandemia, são 3 milhões de casos e ao menos 102 mil mortes. Os estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná também já ultrapassaram a marca de 1 milhão de infectados pela Covid-19. 

Produção de vacinas interrompida

Nesta quinta-feira a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou que  interromperá por alguns dias, na próxima semana, a produção da vacina contra Covid-19 até a chegada de uma nova remessa de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), no sábado (22).

A Fiocruz não informou se essa interrupção causará algum impacto nas próximas entregas das doses do imunizante ao Ministério da Saúde, mas disse que, a princípio, o cronograma de entregas permanece semanal, sempre às sextas-feiras.

Coronavac

O governador de São Paulo, João Doria, fez um apelo à China para que o país libere o embarque de mais insumos para retomar a produção da vacina contra a Covid-19.

À CNN, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, informou que a produção de doses da Coronavac está paralisada desde quarta-feira (12) e não há mais insumos para fabricação de vacinas até o final do mês.

"Faço aqui um apelo às autoridades chinesas que, estando em Brasília, na embaixada da China, e mesmo na chancelaria e no governo chinês em Pequim. Os brasileiros não pensam como o presidente da República do Brasil", disse Doria. "Os brasileiros continuam agradecendo a China por ajudar a salvar vidas no nosso país."

Postar um comentário

0 Comentários