Pré-candidato ao governo da Bahia, ACM Neto se diz contra polarização política em 2022

 

Ele visitou Feira de Santana na manhã desta segunda-feira (19)

O presidente nacional do Democratas e ex-prefeito de Salvador ACM Neto informou, na manhã desta segunda-feira (19), em visita a Feira de Santana, que deve ser o candidato natural do DEM para pleitear uma vaga ao governo do estado em 2022. Ele veio ao município a convite do prefeito Colbert Martins e do ex-prefeito José Ronaldo para conhecer um conjunto de obras e avenidas que foram requalificadas pelo governo municipal.

“Nomes temos vários, mas pra mim, eu não vejo outra alternativa política, outro caminho que não seja disputar ao governo do estado. Não quero com isso antecipar a confirmação de nada, apenas que nesse momento nós trabalharemos para que isso seja natural e legítimo. Nomes nós temos: deputados, prefeitos, ex-prefeitos, lideranças qualificadas, mas vamos manter o foco, porque isso é importante pra o partido e para o conjunto das forças políticas que atuam na Bahia”, afirmou ao Acorda Cidade.

Sobre a sua relação atual com o ministro da Cidadania, João Roma, o pré-candidato ao governo do estado ACM Neto reafirmou que não teve nenhuma participação na indicação dele como ministro junto ao governo Bolsonaro, conforme foi especulado, uma vez que Roma era seu aliado político e já foi chefe de gabinete da sua gestão em Salvador.

Foto: Paulo José/Acorda Cidade

“Esse assunto foi muito especulado. Primeiro, procurei deixar claro que não tive nenhuma participação na escolha do João Roma como ministro da Cidadania. Nem da dele, nem de ninguém. Em hora nenhuma, discuti com o governo federal troca de espaços, indicação de cargos. Eu não gosto de fazer política assim, pois quero ter liberdade pra dizer tudo que penso e muitas vezes critiquei decisões que eu acho equivocadas por parte do governo federal, então jamais admitiria sentar pra discutir troca de cargos ou indicação de ministros. Portanto, não tive nenhuma responsabilidade na escolha do deputado João Roma. Agora tudo que eu tinha pra falar sobre esse assunto, eu fiz no dia que ele foi escolhido como ministro pelo Bolsonaro.”

ACM Neto disse ainda que se o presidente da República, na decisão que tomou, achou que poderia de alguma forma intimidá-lo e criar um desconforto, ele mostrou claramente sua independência e a condução que dá à política nacional. “Ela jamais seria comprometida pelo que quer que fosse. No mais é torcer para que o governo trabalhe pela Bahia. Eu não torço contra, não sou mesquinho, nem pequeno. A Bahia tem que estar em primeiro lugar. Agora vamos continuar cobrando com toda firmeza.”

Segundo ACM Neto, não houve também nenhum tipo de desconforto com o ex-prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo, por conta da sua aproximação com o ministro.

Foto: Paulo José/Acorda Cidade

“Cada um tem o direito de conversar com quem quiser. Outro dia o ministro esteve em Feira de Santana. É dever de uma figura como Zé Ronaldo, com a liderança que tem, participar dos principais atos políticos da cidade e que tem acima de tudo um pacto administrativo. Minha relação com Zé Ronaldo é muito fraterna e de muita amizade. Não tem uma semana que eu não encontre ou fale com Zé Ronaldo no nosso escritório político em Salvador. Temos debatido várias situações políticas, e mais do que um parceiro político, é um amigo, uma pessoa que procuro me aconselhar. Portanto, não existe qualquer mal estar. Tudo não passa de fofoca e futrica”, declarou.

Lula X Bolsonaro

Acerca da disputa eleitoral para a presidência da República, ACM Neto salientou que ainda não vai se colocar de um lado ou de outro, se referindo a Lula ou Bolsonaro. “Eu não vou pensar numa situação dessa agora, não tem cabimento. Espero que o Brasil possa avaliar outras opções, mesmo que um dos dois seja o escolhido. Agora tudo no tempo certo.”

Ele também não confirmou se haverá candidato do Democratas para disputar o cargo de presidente, mas acredita que o Brasil precisa ter outras opções, para fugir da polarização.

“A gente vê um processo nacional em que as pessoas se perguntam se vamos viver essa polarização. Só vão ter dois caminhos: Lula ou Bolsonaro? Não sei, não tenho bola de cristal, não sou adivinho. Uma coisa eu digo: eu torço pra que no Brasil tenhamos a possibilidade de não ficar presos a essa polarização, ou seja, a gente poder ter outros nomes de maior moderação, equilíbrio, pra distensionar desse radicalismo, direita de um lado esquerda do outro, nós contra eles. Eu não gosto de fazer política assim. Que no Brasil, outras alternativas possam ser construídas pra que o eleitor tenha opção de escolher. Não dá pra gente tão cedo se conformar que a política inevitavelmente ficará radicalizada”, opinou.

Covid

Quanto ao aumento do número de casos e internações por covid-19 na Bahia, ACM Neto parabenizou a condução do atual prefeito de Salvador, Bruno Reis, no combate ao coronavírus.

“Percebam que esse ano a segunda onda veio de uma forma muito mais agressiva, cujo contágio se dá de maneira muito maior, vem se agravando, inclusive com os jovens, prendendo as pessoas por muito mais tempo nas UTIs. Tivemos aí uma situação durante o mês de fevereiro muito difícil na Bahia. Em Salvador, não foi diferente. E Bruno conseguiu com muito esforço evitar o colapso no Sistema de Saúde e conseguimos continuar atendendo a todos os doentes da Covid, não faltou leito e não tivemos que fechar porta de UPA, e, portanto, posso dizer que estou muito satisfeito como cidadão pelo trabalho que Bruno realiza hoje na prefeitura de Salvador”, disse.

Fonte: Acorda Cidade

Postar um comentário

0 Comentários