Feira participa de pesquisa de monitoramento do Aedes aegypti

 

O município está entre as três cidades da Bahia que participam do estudo

Feira de Santana é uma das três cidades da Bahia que participa de pesquisa sobre o mosquito Aedes aegypti, que utiliza armadilhas com levedura de cerveja. A iniciativa é do Ministério da Saúde por meio da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

As ovitrampas são equipamentos que simulam o ambiente perfeito para a procriação do Aedes – mosquito que transmite dengue, zika e chikungunya.

Trata-se de um vaso plástico na cor preta, preenchido com levedura de cerveja e com uma paleta de eucatex para aderência dos ovos, que serão analisados com lupa apropriada no laboratório de entimologia do município, sendo após encaminhado à Fiocruz.

O equipamento é retirado a cada sete dias e substituído por outro. Durante o período não pode haver interferência, nem derrubar. Por isso são colocados longe de crianças e animais.

Esses locais são determinados pelos agentes do Centro Municipal de Referência em Endemias da Prefeitura de Feira, que fazem todo o processo. São 98 bairros contemplados com a pesquisa.

“A pesquisa não traz riscos para proliferação do mosquito, já que é retirado antes mesmo de se tornar larva. É um trabalho muito importante para identificar a eficácia dos larvicidas e inseticidas, para descobrir se o mosquito criou resistência aos venenos e, se tiver, fazer as adaptações”, afirma Edilson Matos, coordenador do Centro de Endemias.

Postar um comentário

0 Comentários