Exemplo no início da pandemia, Alemanha atrasa vacinação; Merkel reconhece erros

 Chanceler da Alemanha, Angela Merkel Chanceler da Alemanha, Angela Merkel. Foto: Michael Sohn/Reuters


CNN Brasil - As geladeiras estão aqui, mas as vacinas não. A Dra. Sibylle Katzenstein gastou milhares de euros planejando seu consultório em Berlim para que pudesse administrar as vacinas de Covid-19 o mais rápido possível, mas ela ainda não recebeu uma única dose.

“Teria sido bom se eu tivesse pelo menos 10 vacinas na minha geladeira. Custou-me muito tempo e frustração e, no final, essas pessoas que precisam delas não foram vacinadas”, disse Katzenstein.

A clínica geral diz que não tem ideia de como vacinar seus pacientes vulneráveis ??depois de fazer lobby repetidamente por injeções e ser repetidamente rejeitada. "Estou muito preocupada e não sei a quem recorrer."

Ela expressa as preocupações de muitos: que a implementação da vacinação na Alemanha é um pesadelo burocrático com consequências mortais.

O país foi aplaudido por seu tratamento inicial da pandemia, graças aos testes em larga escala e sua rápida resposta ao surto. Apesar de um alto número de casos relatados, a taxa de mortalidade Covid-19 da Alemanha permanece baixa.

Mas desde que administrou sua primeira injeção em dezembro, a Alemanha vacinou apenas cerca de 6% da população, com cerca de 5 milhões de primeiras doses e 3 milhões de segundas doses utilizadas.

Parte do problema é que a Alemanha só oferece vacinas em centros de vacinação específicos e não em consultórios médicos - ao contrário do Reino Unido, onde os médicos locais vacinam pessoas há meses e onde mais de 30% da população recebeu uma primeira dose.

A chanceler Angela Merkel admitiu falhas com a velocidade da disponibilização das vacinas e disse na quarta-feira que os consultórios médicos devem ser habilitados para vacinar os pacientes até o final de março.

Katzenstein observa que há cerca de 50 mil consultórios de clínica geral na Alemanha e "é muito mais fácil para os pacientes entrarem em contato com seu próprio médico".

O sistema de marcação de vacinação em um posto de saúde é complexo, com inúmeros processos diferenciados nos 16 estados do país. Katzenstein argumenta que é complicado para um homem de 90 anos navegar no sistema online. 

"Acho que temos uma obrigação social com uma sociedade inteira em confinamento. Precisamos fazer com que tudo seja rápido, pragmático."

A Alemanha tem vários graus de bloqueio desde novembro e, nesta semana, as restrições foram estendidas novamente até o final de março. Mas a logística interna e a burocracia são apenas parte do problema.

Fatores em jogo

No início da pandemia no ano passado, tudo estava pronto para Merkel lidar com ela com sucesso. A Alemanha --um país com reputação global de eficiência-- ocupava a Presidência do Conselho da UE e, em Ursula von der Leyen, uma ex-ministra da defesa alemã, tinha um aliado no topo da Comissão Europeia.

Quando chegou a hora de garantir as vacinas, Merkel insistiu que a UE deveria se concentrar na obtenção de vacinas como um bloco, em vez de a Alemanha e outros Estados membros agirem sozinhos. Mas a implementação da UE tem sido lenta e marcada por atrasos.

"A Alemanha é a arquiteta do fracasso europeu porque Alemanha e Merkel estiveram por trás de pressionar pelo processo europeu que foi um fracasso desde o início", disse à CNN Julian Reichelt, editor-chefe do tabloide mais vendido da Alemanha, o Bild. “Ela queria fazer tudo sobre a Europa e ser uma grande europeia”, diz ele.

No mês passado, o jornal ganhou as manchetes no Reino Unido quando publicou a manchete da primeira página: 'Liebe Briten, we beneiden you!' [Cara ??Grã-Bretanha, temos inveja de você] em uma mensagem direta sobre como a Alemanha estava se debatendo em comparação com a estratégia da Grã-Bretanha, que foi amplamente aclamada como um sucesso.

As comparações com a Grã-Bretanha se tornaram ainda mais dolorosas nesta semana, quando Merkel anunciou uma reviravolta na decisão de não autorizar a vacina Oxford-AstraZeneca para pessoas com mais de 65 anos.

A decisão original do limite de idade, anunciada em 28 de janeiro pelo comitê de vacinação da Alemanha (STIKO), foi feita citando a falta de dados suficientes para grupos de idade mais velhos nos testes. 

Críticos disseram que isso prejudicou a confiança do público na vacina da AstraZeneca em um país que sofre de um nível relativamente alto de ceticismo em relação à vacina, e desencadeou um efeito dominó em toda a Europa.

No dia seguinte, o presidente francês Emmanuel Macron descreveu a vacina AstraZeneca como "quase ineficaz" em pessoas mais velhas, dizendo que "os primeiros resultados não são encorajadores para aqueles com mais de 60-65 anos." 

A alegação foi contestada por vários cientistas, e dados do mundo real desde então mostraram que a vacina AstraZeneca é altamente eficaz na prevenção de hospitalização em populações mais velhas.

Países como França, Espanha, Itália e países nórdicos seguiram o exemplo, limitando a autorização da vacina a segmentos mais jovens da população. Eles também estão agora dando meia-volta em suas decisões.

O estrago está feito

A decisão do STIKO de barrar inicialmente o uso de vacinas AstraZeneca em populações mais velhas "foi realmente um erro" porque resultou em "todos na Alemanha" perderem a confiança na vacina, disse o Dr. Uwe Janssens, chefe da Associação Interdisciplinar Alemã para Intensivos Cuidados e Medicina de Emergência (DIVI).

Janssens entende por que o STIKO chegou à sua conclusão inicial e disse que, se a decisão tivesse sido o contrário, haveria críticas também. De qualquer forma, disse ele, "não tínhamos vacina suficiente desde o início por causa das consequências do tour de compras da União Europeia, porque eles não compraram o suficiente."

Tobias Kurth, professor de saúde pública e epidemiologia e diretor do Instituto de Saúde Pública do hospital universitário Charité em Berlim, descreveu a decisão original do regulador alemão como um "desastre de comunicações".

Um dia depois que o STIKO impôs um limite de idade para a vacina AstraZeneca, a Agência Europeia de Medicamentos e a Organização Mundial da Saúde a aprovaram para todos com mais de 18 anos, dizendo que "não havia indicação de que não funcionou", destaca Kurth.

"Eles finalmente corrigiram sua recomendação, mas agora o desastre já aconteceu", disse Kurth à CNN. “As pessoas dizem que não querem ser vacinados com a AstraZeneca porque é muito ruim”, e não há como corrigi-las porque “não dá para tirar isso da cabeça das pessoas”.

No mês passado, um porta-voz de Merkel deu um passo extraordinário ao twittar que a "AstraZeneca [vacina] é segura e altamente eficaz", após relatos de que os alemães a estavam recusando.

Existem atualmente cerca de 1,3 milhão de doses da AstraZeneca não utilizadas em armazenamento na Alemanha, em parte devido ao fato de que as populações idosas até agora não foram autorizadas a tomá-la. 

Alguns alemães também veem a vacina AstraZeneca como uma injeção de qualidade inferior, por causa de suas taxas de eficácia ligeiramente mais baixas em comparação com outras vacinas autorizadas.

A CNN entrou em contato com o Ministério da Saúde alemão para comentar o tema, mas não obteve resposta.

'Reclamando de um doce'

A administração de um centro de vacinação no aeroporto de Berlin Brandenburg, que administra as vacinas Pfizer-BioNTech e AstraZeneca, disse que no início da vacinação quase ninguém queria AstraZeneca, mas agora isso está mudando.

"Minha impressão, e o que os números nos dizem, é que a aceitação da vacina AstraZeneca está aumentando. Podemos ver isso com as marcações. Começou muito devagar, mas até ontem à noite 80% das consultas disponíveis foram agendadas", Christian Wehry, porta-voz da Association of Health Insurance Physicians Brandenburg, disse.

"Acho que as pessoas na Alemanha são muito mimadas. Isso me lembra crianças brincando em um parquinho, reclamando de um doce, pensando que merecem outro porque alguém lhes diz que é melhor", disse Thomas Buchhammer, médico, à CNN depois de receber sua primeira dose da vacina AstraZeneca na quinta-feira.

O STIKO mudou de rota e aprovou a vacina AstraZeneca para maiores de 65 anos, citando novos dados, na quinta-feira. Em um comunicado, o comitê afirmou que sua recomendação anterior em 28 de janeiro "estava completamente correta com base nos dados disponíveis naquela época."

Enquanto isso, Merkel --antes do comunicado do STIKO-- anunciou na quarta-feira que o intervalo entre a administração da primeira e da segunda dose das vacinas Covid-19 seria esticado "ao máximo" para "vacinar mais pessoas mais rapidamente".

A chanceler disse que agora haveria um intervalo de 42 dias para a segunda injeção da Pfizer e de 12 semanas para a segunda injeção de Oxford/AstraZeneca --um movimento que está mais de acordo com a política do Reino Unido de administração de segundas doses de ambas AstraZeneca e Pfizer no final de um intervalo de 12 semanas.

As mudanças na estratégia de dosagem da Alemanha vieram depois que dados de estudos pareciam justificar a estratégia britânica de vacinar o maior número possível de pessoas de alto risco com a primeira dose. O Reino Unido vacinou mais de 21 milhões de pessoas com a primeira dose e cerca de 1 milhão recebeu uma segunda dose.

O político social-democrata alemão e especialista em saúde Karl Lauterbach diz que a Alemanha cometeu um erro com sua decisão inicial da AstraZeneca, mas mesmo que o limite de idade não tenha sido implementado, o Reino Unido ainda tem melhores capacidades de vacinação.

"Mesmo se não houvesse problemas com a AstraZeneca, ainda não seríamos capazes de vacinar muito mais pessoas porque estamos carentes de vacinas", disse Lauterbach. "Basicamente, a Comissão da UE não foi rígida o suficiente, não foi rápida o suficiente e não forneceu dinheiro suficiente para disponibilizar mais vacinas em um período mais curto de tempo."

A União Europeia, que demorou mais para autorizar o uso de vacinas do que o Reino Unido, travou uma guerra de palavras com a AstraZeneca por causa de atrasos no fornecimento do imunizante no final de janeiro. 

Na quinta-feira, a Itália anunciou que impôs uma proibição de exportação de 250 mil doses da vacina AstraZeneca destinadas à Austrália, citando atrasos no fornecimento e uma contínua escassez de vacinas na UE e na Itália.

Lauterbach admite que "a aquisição da vacina pela UE foi lenta. As considerações sobre os preços foram avassaladoras e o processo não recebeu a atenção que deveria ter recebido. Portanto, perdemos tempo e estamos sofrendo com a escassez de todas as vacinas principais".

Muito se tem falado sobre o fracasso das vacinas da UE, com a própria presidente da Comissão, von der Leyen, admitindo no início de fevereiro que a Europa estava atrasada para autorizar vacinas e muito otimista quanto à produção em massa. Mas as decisões internas da Alemanha também prejudicaram o país.

"O que era mais importante para Merkel, era que a UE deveria agir em conjunto para mostrar que a UE funciona. Não por causa do Brexit, mas porque é assim que a Alemanha gosta de fazer as coisas", disse Quentin Peel, um membro associado do Europe Programme at the Chatham House think tank, em Londres.

Uma pesquisa recente encomendada pela emissora estatal ARD revelou na quinta-feira que 73% dos alemães não estão satisfeitos com a forma como o governo lidou com a liberação da vacina.

O ministro da Saúde da Alemanha, Jens Spahn, falando em uma entrevista coletiva na sexta-feira, disse que o país vai acelerar "nas próximas semanas". Ele previu que em abril haverá mais vacinas disponíveis do que pessoas que podem ser vacinadas nos centros de vacinação. 

Ele acrescentou que equipes móveis de vacinação seriam introduzidas para ajudar com o esforço e os médicos de clínica geral deveriam ser incluídos rotineiramente na campanha.

Enquanto isso, o Dr. Lothar Wieler, chefe do Instituto Robert Koch da Alemanha (RKI), alertou que "ainda estamos vendo muitas mortes" e que a taxa de incidência do país está subindo novamente. 

Wieler disse que uma variante mais contagiosa do coronavírus descoberta pela primeira vez no Reino Unido foi detectada em 40% das novas infecções, depois que Merkel alertou recentemente que o país precisa "proceder com sabedoria e cuidado" para evitar um bloqueio devido a uma terceira onda.

O efeito indireto na vida real de uma vacinação lenta é evidente para Friederike Bettina Kolster, de 59 anos, que tem a doença neurológica Esclerose lateral amiotrófica (ELA) e está desesperada para tomar uma injeção.

Como cadeirante, ela tem até 15 pessoas cuidando dela a cada dia, aumentando o risco de contrair a doença. "Porque preciso de cuidados médicos, não posso me proteger", disse ela. "Estou sempre isolada em casa. Não tenho contatos externos para minimizar o risco."

"Todos pensam que eu deveria estar no primeiro grupo. Mas como minha doença não está listada no decreto de vacinação e eu tenho menos de 60 anos, na verdade sou considerada uma pessoa saudável com menos de 60 anos."

Kolster descreve a preparação da Alemanha como "extremamente frustrante" e diz que vive com medo da doença. "Eu não me importo com qual vacina vou receber", disse ela. "Contanto que eu esteja vacinada."

*Matéria traduzida, clique aqui para ler o contéudo original

Postar um comentário

0 Comentários