Casos de tuberculose reduzem em 34 por cento

 

A doença ainda é preocupante, estando entre as dez principais causas de morte no mundo

Feira de Santana vem apresentando redução nos casos de tuberculose. Em 2020, foram diagnosticados 114 casos - 61 a menos do que o ano anterior, o que representa uma redução de 34%.

A doença ainda é preocupante, estando entre as dez principais causas de morte no mundo segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde). Apesar disso, tem cura. Nesta quarta-feira, 24, Dia Mundial de Combate à Tuberculose, ações educativas sobre os sintomas, prevenção e tratamento estão sendo reforçadas.

Em Feira, um dos grandes aliados no combate à doença é a descentralização dos atendimentos aos casos suspeitos, sendo possível a notificação em todas as unidades básicas de saúde. Os casos confirmados contam com tratamento gratuito oferecido no Centro Referência Dr. Leone Coelho Lêda (CSE).

Gilca Lessa, enfermeira referência em tuberculose, acredita que a redução dos diagnósticos pode estar associada à pandemia. "É possível que tenha ocorrido subnotificação dos casos ou que, por medo de se expor ao vírus da Covid-19, os pacientes tenham evitado procurar ajuda médica", avaliou.

Em 2019 foram 88,5% dos casos confirmados tratados e acompanhados que evoluíram para cura.

Sobre a doença

A tuberculose é transmitida de pessoa a pessoa através secreções expelidas durante a fala, espirro ou tosse. Atualmente estão em tratamento 88 pessoas no CSE. Depois de duas semanas de iniciado, não transmite mais a doença.

O teste rápido molecular, a cultura e a baciloscopia de escarro são os métodos principais para o diagnóstico e controle do tratamento da doença pulmonar, por permitir a descoberta das fontes de infecção. O diagnóstico também é feito através de exame radiológico, histopatológico, prova tuberculínica e avaliação clínica.

Pessoas com tuberculose podem apresentar tosse por mais de três semanas, febre vespertina, falta de apetite, perda de peso, suor noturno, cansaço e dor no peito. Nestes casos é necessário procurar o quanto antes a unidade de saúde mais próxima de casa.



Postar um comentário

0 Comentários