Amigas descobrem que são irmãs anos após se conhecerem trabalhando juntas

 irmas EUAFoto: Acervo pessoal


Tudo começou como uma piada. Cassandra Madison, 32, e Julia Tinetti, 31, começaram a dizer às pessoas que eram irmãs pouco depois de se conhecerem em 2013, enquanto trabalhavam em um restaurante de Connecticut (EUA). Mas um recente teste de DNA confirmou que elas são, na verdade, irmãs biológicas.

As duas mulheres tinham muito em comum – ambas foram adotadas na República Dominicana quando bebês, eram tão parecidas que clientes e colegas de trabalho as confundiam o tempo todo e cada uma tinha tatuagens da bandeira dominicana.

As tatuagens fizeram com que elas se falasse pela primeira vez. Depois disso, tornaram-se amigas rapidamente. "Nós nos demos bem imediatamente. Não havia como forçar uma amizade ou qualquer coisa", disse Madison à CNN. "Nossas personalidades são muito semelhantes, então foi muito fácil simplesmente começar a sair juntas."

Elas, às vezes, usavam roupas combinando para trabalhar. "Teve um evento em que nos vestimos da mesma forma. Nossas meias combinavam, nossos tênis combinavam, nossos óculos combinavam, nossos shorts eram pretos. Ela [Cassandra] fez camisetas regatas para nós dias, que diziam que ela era a irmã mais velha e eu era a pequena irmã ", disse Tinetti.

"Nós meio que aceitamos isso como uma piada. Não era nada sério."

A certa altura, elas examinaram a papelada de adoção para ver se poderiam realmente ser irmãs, mas os formulários diziam que elas tinham mães diferentes que moravam a horas de distância uma da outra.

"Então dissemos: 'OK, não importa, esqueça', e simplesmente seguimos em frente com nossas vidas", disse Madison. "Mas ainda brincávamos com o fato de sermos irmãs, embora soubéssemos que não éramos. Bem, pensávamos que não éramos."

Madison se mudou para Virginia Beach, Virgínia, em 2015, e a dupla manteve contato apenas pelo Facebook. Madison cresceu sabendo que seus pais biológicos a haviam dado para adoção porque não podiam cuidar dela.

Ela sempre quis conhecê-los e, em 2018, sua mãe adotiva lhe deu um kit de teste de DNA no Natal.

Sete irmãos na República Dominicana

Madison pensou que ela acabaria de aprender mais sobre de onde seus ancestrais vieram, mas também descobriu uma prima, que também morava em Connecticut e conhecia seu pai.

Sua mãe biológica morreu em 2015, mas Madison foi à República Dominicana para conhecer o pai e familiares. Eles a receberam no aeroporto vestindo camisetas com sua foto. Havia sete outras crianças na família.

Madison e Tinetti se reconectaram no ano passado e perceberam que algo parecia errado em sua papelada.

A melhor amiga de Tinetti, Molly, foi adotada na República Dominicana no mesmo dia e suas mães mantiveram contato ao longo dos anos. Os papéis de adoção de Molly diziam que ela e Madison tiveram as mesmas mães, mas seus resultados de DNA mostraram que eram primas distantes.

Madison conversou com o pai sobre isso e ele disse a ela que eles haviam dado outra filha para adoção.

"E eu fico tipo, 'por que você não me contou isso?' E ele disse 'sinto muito. Foi um momento muito difícil em nossas vidas e sua mãe e eu, não gostamos de falar sobre isso'", disse Madison.

Madison dirigiu da Virgínia a Connecticut para pedir a Tinetti que fizesse um teste de DNA. Tinetti concordou em fazer o teste, embora nunca tivesse tido interesse em aprender sobre sua família biológica.

“Eu tive uma ótima família enquanto crescia, recebi uma boa educação e não sentia que estava perdendo nada na minha vida”, disse Tinetti. “Fiquei feliz com a vida que tive. Não senti necessidade de fazer isso”.

'É isso'

Tinetti recebeu os resultados do teste no final de janeiro. “Eu estava tipo, 'é isso,' e esperei provavelmente uns 10 minutos antes mesmo de abri-lo, porque estava tentando me preparar para o que estaria lá”, disse Tinetti.

Ambas as mulheres disseram que tentaram não criar esperanças, mas sabiam que teriam ficado arrasadas se não tivessem se revelado irmãs biológicas.

Madison disse que fala com seu pai e irmãos todos os dias e que ela e Tinetti continuaram de onde pararam.

Tinetti conta que faz videochamadas com seu pai biológico e seus irmãos e espera ir à República Dominicana para conhecê-los pessoalmente.

Ela disse que foi "muito chocante" vê-los porque eles se parecem muito. "Foi como me ver nessas pessoas", disse ela. "É como, 'ok, bem, agora eu sei de onde vim', você sabe o que quero dizer? Sempre foi um mistério para mim."

 

(Texto traduzido. Clique aqui para acessar o original em inglês)

Postar um comentário

0 Comentários