Polícia identifica suspeitos de matar PM no bairro SIM; um deles foi baleado

 


A Delegacia de Homicídios de Feira de Santana já identificou dois  dos três suspeitos de matar policial militar Washington Luiz Lima, de 41 anos, na tarde de sábado (9), dentro de seu estabelecimento, no bairro SIM. A informação é do delegado titular da DH, Rodolfo Faro.

Segundo ele, dois suspeitos continuam foragidos. Já a Secretaria de Segurança Pública informou que um foi localizado após denúncias anônimas (Saiba mais aqui)

Inicialmente a polícia estava investigando o crime como homicídio, mas o crime passou a ser tratado como latrocínio, quando há roubo seguido de morte.

Além da morte do policial, mais 13 homicídios foram registrados entre a tarde de sábado (9) e a noite de domingo (10), totalizando 14 ocorrências.

Em entrevista ao Acorda Cidade, o coordenador da Polícia Civil em Feira de Santana, delegado Roberto Leal, explicou que a equipe da Delegacia de Homicídios (DH) continua coletando informações para a elucidação dos outros crimes.

"Já temos a autoria apontada para dois homicídios, um deles foi uma rixa e a outra foi por vingança. Há também outro homicídio onde já há o indicativo de autoria, mas os demais por enquanto ainda não há nenhuma informação, mas estamos coletando as imagens junto com a equipe da DH, para saber principalmente a participação das pessoas se usaram motos, carros e outras circunstâncias que nos ajudam na elucidação desses fatos", disse.

De acordo com o delegado, após a morte do policial militar Washington Luiz Lima, houve um acréscimo considerável no número de homicídios durante o final de semana.

"Até o presente momento não identificamos outros fatos que pudessem contribuir para esse número, que comumente acontece em Feira de Santana, como por exemplo a disputa por tráfico de entorpecentes e situações de vinganças. O único fato notório que ocorreu foi a morte do soldado PM e, infelizmente, após esse fato trágico, houve realmente um acréscimo considerável no número de homicídios. Para este caso, identificamos que a iniciativa dos três indivíduos foi de cometer o roubo e, após o policial ser identificado, determinou-se a execução. Existem vários fatores que podem ter ocorrido, a intenção do roubo pode ser apenas para camuflar, porque na verdade já sabiam que se tratava de um policial ou realmente foi só um roubo. Isso é o que estamos trabalhando, com essa linha de roubo seguido de homicídio. Ainda estamos no início da investigação e não iremos descartar nenhuma linha de raciocínio", destacou ao Acorda Cidade.

Passagens pela delegacia

Dos 14 assassinatos registrados neste último final de semana em Feira de Santana, seis vítimas já tinham passagem pela polícia.

"Estamos fazendo um levantamento das situações e até o momento das qualificações que a gente conseguiu angariar, seis dessas pessoas tinham passagens por crimes diversos, como o tráfico de entorpecentes. Um dos indivíduos, inclusive, respondia por homicídio e tinha mandado de prisão em aberto. Tinham pessoas envolvidas com a Lei Maria da Penha e outras cinco vítimas identificadas não tinham nenhuma passagem nessa unidade policial. Poderiam ter envolvimento com atividade ilícita, mas não havia registro aqui na polícia civil. Então seis possuíam antecedentes criminais e outras cinco não possuíam, e assim que as outras vítimas forem identificadas, nós iremos verificar se também tinham ou não antecedentes", finalizou.

Foto: Ed Santos/Acorda Cidade

Também em entrevista ao Acorda Cidade, o coronel Luziel Andrade, comandante do Comando de Policiamento da Região Leste (CPRL), afirmou que esse foi um fim de semana atípico e que nas últimas semanas havia um clima de normalidade na cidade.

“A avaliação que eu faço é que trabalhamos para que isso não acontecesse, foi um fim de semana totalmente atípico, visto que os últimos finais de semana vinham dentro de uma normalidade e nesse nós tivemos um número bastante elevado de crimes contra a vida. Isso aí faz com que fuja do que foi esperado”, avaliou.

Tropa de Choque em Feira

Ele disse que por conta do aumento da violência, precisou solicitar apoio da tropa de choque da PM.

“Nós solicitamos a presença do Choque para dar apoio tanto à Rondesp quanto às nossas guarnições diárias, justamente devido ao número elevado de homicídios. Houve uma necessidade da gente fazer uma ocupação maior de toda a área. Íamos trazer também o Graer, mas como não tínhamos heliporto com luz para pouso à noite não foi possível. Mas na noite do domingo só houve uma situação.”

Em relação à morte do policial, o coronel Luziel Andrade salientou que as imagens revelam que foi latrocínio.

“A filmagem que a gente viu foi uma situação de assalto e execução. Espero que o mais rápido possível a gente possa fazer a prisão desses elementos e entregar à Justiça. Nós temos a identificação dos autores e estamos trabalhando para capturar os mesmos”.

O comandante fez ainda um balanço das ações do CPRL no município na última semana e demais cidades da área de cobertura.

“Nós tivemos essa semana 25 armas de fogo apreendidas na região Leste, sendo quatro armas aproximadamente por dia. Dessas, tivemos 10 apreensões em Feira de Santana. Tivemos 135 pessoas conduzidas, dessas 19 pessoas foram em Feira de Santana, e tivemos 49 situações envolvendo drogas, dessas 20 ocorrências foram em Feira de Santana e cinco autos de resistência na cidade.”

Fonte: Acorda Cidade

Postar um comentário

0 Comentários