Estudo vê risco à fertilidade masculina após Covid-19; cientista pede cautela

 

Em comparação com homens saudáveis ??sem Covid-19, o estudo encontrou um aumento significativo na inflamação das células espermáticas em homens que contraíram o vírus. Especialistas recomendaram cautela quanto às conclusões do relatório. Foto: Shutterstock/CNN


CNN Brasil - Casos graves de Covid-19 podem afetar a qualidade do esperma de um homem, possivelmente afetando sua fertilidade, de acordo com um novo estudo publicado quinta-feira na revista Reproduction.

"Este relatório fornece a primeira evidência direta até o momento de que a infecção por Covid-19 prejudica a qualidade do sêmen e o potencial reprodutivo masculino", disse o estudo.

No entanto, especialistas não envolvidos na pesquisa estão céticos sobre a conclusão do relatório e pediram cautela na generalização dos resultados da pesquisa.

"É preciso levantar uma nota forte de cautela na interpretação desses dados. Por exemplo, os autores afirmam que seus dados demonstram que 'a infecção por Covid-19 causa prejuízos significativos da função reprodutiva masculina', embora apenas mostrem realmente uma associação," disse Allan Pacey, professor de andrologia da Universidade de Sheffield em South Yorkshire, no Reino Unido, por e-mail. 


"Estar doente por causa de qualquer vírus, como a gripe, pode diminuir temporariamente sua contagem de esperma (às vezes para zero) por algumas semanas ou meses. Isso torna difícil descobrir o quanto das reduções observadas neste estudo foram específicas para Covid-19, em vez do que apenas por estar doente ", disse a Dra. Channa Jayasena, consultora em endocrinologia reprodutiva e andrologia do Imperial College London, por e-mail.

Além disso, "é importante notar que não há evidências do vírus da Covid-19 no sêmen e que não há evidências de que o vírus possa ser transmitido via sêmen", disse Alison Murdoch, que dirige o Newcastle Fertility Centre no International Centre for Life, Newcastle University, no Reino Unido, por e-mail.

 

Pequeno estudo com 84 homens

O estudo comparou 105 homens férteis sem Covid-19 com 84 homens férteis que testaram positivo para o novo coronavírus. Os pesquisadores, então, analisaram o sêmen dos participantes em intervalos de 10 dias por 60 dias.

Em comparação com homens saudáveis ??sem o novo coronavírus, o estudo encontrou um aumento significativo na inflamação e estresse oxidativo em células de esperma pertencentes a homens com Covid-19. A concentração, mobilidade e forma de seus espermatozoides também foram afetadas negativamente pelo vírus.

As diferenças aumentaram com a gravidade da doença, concluiu o estudo.

"Esses efeitos sobre as células espermáticas estão associados à menor qualidade dos espermatozoides e redução do potencial de fertilidade. Embora esses efeitos tendam a melhorar com o tempo, eles permaneceram significativa e anormalmente maiores nos pacientes com Covid-19, e a magnitude dessas mudanças também foram relacionadas à doença severidade", disse o pesquisador principal Behzad Hajizadeh Maleki, um estudante de doutorado na Justus Liebig University Giessen, em Hesse, Alemanha, em um comunicado.

Havia também níveis muito mais altos de atividade enzimática ACE2 em homens que tiveram Covid-19, descobriu o estudo.

A ACE2, ou enzima conversora de angiotensina 2, é a proteína que fornece o ponto de entrada para o novo coronavírus se conectar e infectar uma ampla gama de células humanas.

No entanto, não é surpreendente que a Covid-19 possa impactar o sistema reprodutivo masculino porque os receptores ACE2, que são os mesmos receptores que o vírus usa para obter acesso aos tecidos do pulmão, também são encontrados nos testículos, disse Pacey, que também é editor-chefe da revista Human Fertility.

 

Uma preocupação constante

"Desde o início da pandemia de Covid-19, tem havido uma preocupação compreensível (mas teórica) sobre se o coronavírus pode ter um impacto prejudicial na fertilidade dos homens que são infectados", disse Pacey.

Depois de revisar cerca de 14 estudos publicados sobre o assunto, ele concluiu que "qualquer efeito mensurável do coronavírus na fertilidade masculina foi provavelmente apenas leve e temporário".

Os achados do último estudo, acrescentou, podem ser devidos a outros fatores, como o uso de medicamentos para tratar o vírus, que os autores também reconheceram.

"Portanto, tudo que vejo neste conjunto de dados são possíveis diferenças na qualidade do esperma entre homens que estão doentes com doença febril e aqueles que estavam bem. Já sabemos que uma febre pode impactar na produção de esperma, independentemente do que causou isso", disse Pacey.

Sheena Lewis, professora emérita da Queen's University Belfast, na Irlanda, compartilhou impressões semelhantes por e-mail: "minha estranheza é que os homens com Covid-19 (no estudo) tinham peso corporal substancialmente maior e estavam em uma série de tratamentos terapêuticos".

"Sabemos que a obesidade por si só reduz a qualidade do esperma. Os tratamentos contra Covid-19 também podem ter afetado a qualidade do esperma desses homens, em vez do próprio vírus", disse Lewis.

"Assim, estudos de longo prazo são necessários antes que os testículos sejam considerados um órgão de alto risco específico para Covid-19", disse Murdoch, de Newcastle.

Postar um comentário

0 Comentários