Descentralizado monitoramento dos pacientes suspeitos ou confirmados da Covid-19


Como estratégia para oferecer melhor acompanhamento e assistência aos pacientes com suspeita ou confirmação da Covid-19, a Prefeitura de Feira de Santana através da Secretaria de Saúde descentralizou o serviço de monitoramento, que antes era feito pela Vigilância Epidemiológica, e agora estes pacientes passam a ser acompanhado pelas unidades de saúde da área de abrangência da sua residência.

O monitoramento desses pacientes é feito por meio de ligação diária para avaliar os sintomas e as condições de saúde dos pacientes. Caso ele apresente sintomas graves como falta de ar, desconforto respiratório e entre outros é feita a recomendação para que ele se dirija a uma unidade de urgência como Policlínica ou Unidade de Pronto Atendimento, seguindo as recomendações de distanciamento social e uso indispensável da máscara.
“Estas informações são registradas pelo profissional diariamente em uma planilha. Em casos de sintomas leves que necessitem de suporte médico ou de enfermagem o paciente é orientado a se dirigir a unidade de saúde”, explica Valdenice Queiroz, chefa da Atenção Primária à Saúde.
Durante a primeira ligação todas as orientações e recomendações são fornecidas quanto aos cuidados preventivos, alimentação, hidratação, distanciamento social das demais pessoas, caso convivam na mesma residência. Essas pessoas também devem ser notificadas a Vigilância Epidemiológica caso apresentem sintomas, sendo necessário que o paciente informe no momento do monitoramento.
Emissão de atestados médicos, acompanhamento até a recuperação do paciente e alta também estão sendo realizados pela equipe de saúde. “O paciente deve seguir em isolamento domiciliar por 14 dias, caso ainda apresente sintomas da doença esse paciente é reavaliado e recomendamos isolamento por mais sete dias”, explica.
Segundo avalia Valdenice Queiroz, a descentralização do serviço oferece mais agilidade na notificação do paciente e facilidade para realização do exame, já que os testes rápidos também estão sendo realizados pela equipe da unidade.
“É uma estratégia para facilitar a assistência ao paciente, porém é necessário ressaltar que o exame possui critérios para realização e que se não forem cumpridos é possível que apresente um resultado falso negativo, que é quando a pessoa está com a doença porém o exame apresentou resultado negativo pois não foi feito no período adequado”, alertou.
Caso esse paciente não apresente critério para realização do teste rápido pois ainda está na fase inicial dos sintomas, é feito o agendamento para realização do exame PCR, feito por meio de coleta de amostra nasal e orofaringe para análise do Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lacen).
Para a chefa da Atenção Primária à Saúde esta foi uma grande iniciativa visto que a equipe já oferece suporte para a população cadastrada e que faz parte da sua área abrangência, porém os profissionais tem enfrentado muitas dificuldades durante o monitoramento. “Temos encontrado algumas adversidades para monitoramento deste paciente. Estamos com um grande número de pessoas que não atendem o telefone ou que forneceram o número errado”, pontuou Valdenice.
Outra situação encontrada frequentemente são pacientes que estão aguardando resultado do exame e não estão cumprindo isolamento domiciliar. “Quando atendem a equipe informa que é necessário cumprir isolamento até que o resultado do exame seja liberado, porém infelizmente os profissionais encontram relatos dessas pessoas de que estão saindo, indo trabalhar e acreditam que por estarem de máscara é seguro”, lamentou.

Postar um comentário

0 Comentários