Gastão Guimarães, o médico e educador que enfrentou duas epidemias em Feira


Nas décadas de 1920 e 1930, o Brasil foi castigado por duas grandes epidemias: a de varíola e a de peste bubônica. Em Feira de Santana, na linha de frente contra essas duas doenças, estava um jovem médico, formado com apenas 21 anos, chamado Gastão Clóvis de Souza Guimarães. Mais conhecido simplesmente como Gastão Guimarães, ele atendia de graça na Santa Casa de Misericórdia, não apenas durante as epidemias, mas também ao longo de toda a sua carreira. Pagava quem podia e quem queria, ele não cobrava nem estipulava preços.

Além de médico humanitário, Gastão Guimarães destacou-se também como poeta, escritor, jornalista e educador, tendo lecionado várias disciplinas na antiga Escola Normal Rural, da qual também foi diretor, e no Ginásio Santanópolis, onde, além de ensinar, também promovia diversas atividades culturais e esportivas. Sim, porque Gastão Guimarães também foi um grande desportista: atuou como remador e goleiro em Salvador, e como treinador de basquete em Feira de Santana, responsável por dois títulos de campeonatos conquistados pela cidade.
A história de Gastão Guimarães está sendo contada em mais um vídeo exibido no Memorial da Feira, portal mantido na internet pela Prefeitura, através da Secretaria de Comunicação Social. O vídeo traz depoimentos do advogado e jornalista Helder Alencar, neto de Gastão Guimarães, do médico Geraldo Leite, velho amigo de Gastão, e de Gastão Guimarães Neto, outro descendente do grande médico e educador feirense. Traz também um trecho do poema “Subúrbios que sofrem”, de autoria de Gastão, declamado por sua filha Olga Noêmia Guimarães.
O vídeo sobre Gastão Guimarães pode ser visto na seção Personalidades da Feira. O endereço do portal Memorial da Feira na internet é www.memorialdafeira.ba.gov.br.

Postar um comentário

0 Comentários