Memorial da Feira exibe painel sobre a grande feira-livre de Feira de Santana


“A grande feira-livre de Feira de Santana, que era realizada no centro da cidade, marcou a história e a vida do município, que a ela deve a sua própria origem e o seu próprio nome. Considerada uma das maiores do Nordeste, rivalizando apenas com as de Caruaru, em Pernambuco, e a de Campina Grande, na Paraíba, a feira-livre de Feira de Santana impressionava a todos pela grandeza, pelo colorido e pela riqueza de tipos humanos. Era uma marca da cidade, fazia parte de sua alma, de sua personalidade. Mas, em janeiro de 1977, a grande feira foi transferida para o Centro de Abastecimento, onde deixou de ser livre.”

Este é o texto de abertura do painel de fotos sobre a antiga feira-livre de Feira de Santana, transferida em 1977 para o Centro de Abastecimento, no governo de José Falcão da Silva, como parte do Plano Local de Desenvolvimento Integrado. O painel pode ser visto no Memorial da Feira, portal mantido na internet pela Prefeitura, através da Secretaria de Comunicação Social. Está na seção Fotos da Feira, categoria A feira da Feira.
São 98 imagens, entre fotos, reproduções de obras de arte e prints de filmes sobre a feira-livre, mostrando a sua grandeza e a variedade de tipos humanos que a transformavam num amplo e fervilhante cenário da cultura popular sertaneja. As imagens foram registradas por artistas como Juraci Dórea, Lênio Braga, Olney São Paulo e José Umberto, além de vários fotógrafos da cidade, entre eles o decano Magalhães.
Além delas, há também a reprodução de cerca de 30 textos, entre reportagens, crônicas, cordel e registros históricos, falando sobre as origens, o crescimento e a morte da grande feira-livre. Destaques para os textos de Rollin Poppino, considerado até hoje o maior historiador de Feira de Santana, do viajante austríaco Ernst Von Hesse-Wartegg, e para os depoimentos de feirantes e comerciantes da cidade, uns apoiando, outros condenando o fim da feira.    
Na época da transferência da feira para o Centro de Abastecimento, o prefeito José Falcão disse, em depoimento para o jornal A Tarde: “Os constantes congestionamentos no sistema de tráfego de veículos, a proliferação de bancas e barracas, o péssimo aspecto urbanístico, uma feira-livre sem higienização, produtos alimentares misturados ao lixo e à sujeira, os constantes furtos praticados por marginais e pivetes que infestam a cidade nos dias de segunda-feira, levaram ao cumprimento do Projeto Cabana – Centro de Abastecimento, prevista no Plano Local de Desenvolvimento Integrado.”
O portal Memorial da Feira pode ser visto na internet pelo site memorialdafeira.ba.gov.br.

Postar um comentário

0 Comentários