Com as chuvas de verão, população deve ficar mais atenta a prevenir reprodução do aedes aegipty


A destinação correta do lixo, evitar o acúmulo de água, colocar areia na base dos vasos de plantas, limpar a calha, não deixar tanques de água descobertos, são ações simples que impedem ou dificultam a reprodução do mosquito aedes aegypti, que, se contaminado, transmite a dengue, chicungunya e zika.

Mas a mais eficiente medida para evitar a proliferação destes inseto é não deixar água acumulada dentro de casa, porque o aedes é um mosquito doméstico e a postura é feita em água limpa e em diversos locais.
O cuidado deve ser maior nos primeiros meses do ano, quando historicamente na região caem as chuvas mais volumosas, que aliadas as altas temperaturas e umidade, oferecem condição climática considerada ideal para a reprodução destes insetos.
"É no verão que se registra aumento no número de casos da dengue, principalmente, mais chicungunya e zika, resultado de comportamento inadequado com relação à prevenção", observa o prefeito Colbert Martins Filho, médico por formação.
Catar, tampar, limpar, destinar corretamente o lixo dentro, ensacolando-o, cobrir, não deixar água acumulada formam um conjunto de iniciativas simples, fáceis de serem adotadas, com resultados considerados altamente positivos em termos de prevenção. "E quando feito por muitas pessoas, os efeitos são potencializados", acrescenta Colbert.
Prevenir a reprodução destes insetos é manter seco tudo que possa ser usado como ponto de desova e se tornar foco da doença. Também é importante convocar os vizinhos para se manter atento ao problema e que passa a adotar nas suas casas estas medidas. Afinal, a grande maioria dos focos é encontrada nas residências.
Como nos ralos de banheiro, da chuva e da cozinha, que acumulam pequenas quantidades de água, mas são usados como criadouros pelo aedes. Nestes locais devem ser colocados desinfetantes, regularmente.

Postar um comentário

0 Comentários