Ordem na campanha de Bolsonaro é evitar clima de "já ganhou"


O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) baixou uma ordem a seus aliados: manter o silêncio na reta final da campanha. Seus auxiliares foram orientados a não falarem nada sobre o que será feito após o domingo, dia do segundo turno, em caso de vitória. Entre os assuntos proibidos, estão a transição de governo e nomes de possíveis ministros. O objetivo é evitar o clima que o clima de "já ganhou" contamine seus eleitores, embora Bolsonaro esteja em vantagem relativamente confortável nas pesquisas.


Durante um ato de campanha no Recife, o candidato à Presidência pelo PT, Fernando Haddad, disse que Bolsonaro "não terá oposição porque não vai ser governo", pouco depois da divulgação da pesquisa Datafolha que mostrou a queda de 18 para 12 pontos percentuais em uma semana na distância que o separa do adversário.


Os candidatos ao governo de São Paulo João Doria (PSDB) e Márcio França (PSB) voltaram a trocar ataques, com ofensas, indiretas e acusações no último debate da campanha, ontem à noite na TV Globo.


No Rio de Janeiro, no confronto entre Wilson Witzel (PSC) e Eduardo Paes (DEM), no último debate, o primeiro festejou o apoio do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL) (filho de Jair Bolsonaro) à sua campanha, mas foi ironizado pelo segundo: "Você parece uma criança. 'Estou feliz porque o Flávio Bolsonaro deu autorização'..."

Fonte: ResumododiaUol
Share on Google Plus

Sobre Santiago Live

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário