Ministro determina retirada de propaganda que liga Bolsonaro a tortura



O ministro Luís Felipe Salomão, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), suspendeu na quarta-feira (24) a veiculação da propaganda eleitoral do candidato do PT, Fernando Haddad. A propaganda fazia referências a torturas cometidas na ditadura militar.


O pedido foi feito por advogados do candidato Jair Bolsonaro. A peça publicitária chegou a mostrar o depoimento de Amelinha Teles, ex-militante que foi torturada pelo coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra na ditadura, o mesmo que foi elogiado por Bolsonaro durante o impeachment da ex-presidente Dilma Roussef.

 A propaganda ainda relembra uma fala de Bolsonaro, que afirma ser “favorável a tortura”. A inserção foi proibida por apresentar “cenas muito fortes de tortura” e violar a classificação indicativa que “diante das cenas de violência, destina-se à faixa etária acima dos 14 anos, e só poderia ser veiculada, na televisão, após às 21h", mas estariam sendo veiculadas “ao longo da programação normal das emissoras, distribuídas entre as cinco da manhã e meia-noite", completou o ministro.

Share on Google Plus

Sobre Santiago Live

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário