Amados e (muito) odiados



O grande desafio de Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) no segundo turno da eleição presidencial é enfrentar um nível recorde de taxa de rejeição junto aos eleitores. Os dois chegaram ao segundo turno com mais de 40% de taxa de rejeição. O repórter Leandro Prazeres conversou com cientistas políticos e com o diretor do instituto Datafolha para explicar como a rejeição afeta as estratégias dos candidatos.

A primeira pesquisa eleitoral deste segundo turno foi divulgada na noite de ontem pelo Datafolha. Bolsonaro aparece com 58% dos votos válidos e Haddad tem 42%.

Quem aí não entrou em nenhuma discussão com parentes, amigos e colegas de trabalho por causa da disputa Bolsonaro x PT? E quantos boatos e notícias falsas na guerra recebidos via Whatsapp estão por trás dessas discussões que levam ao rompimento de relações? O fato é que há uma verdadeira indústria de desinformação agindo por meio do aplicativo. Reportagem de Bruna Souza Cruztrata da questão: seria o Whatsapp o grande vilão dessas eleições?

"Como a minha mãe morreu?"; "Como era a voz dela?" "Por que meu pai quis me matar?"... Essas perguntas são comuns na vida de Bruninho, o filho de Eliza Samudio com o goleiro Bruno Fernandes, condenado a 22 anos e três meses de prisão pela morte dela. Quem relata é a mãe de Eliza Samudio. Não perca a entrevista da repórter da Universa Amanda Serra com Sônia de Fátima Marcelo da Silva Moura.

Fonte: ResumododiaUol

Share on Google Plus

Sobre Santiago Live

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário