Com a derrota de Lula no STF, qual o futuro eleitoral da esquerda?


Aliados: os candidatos Manuela D'Ávila, do PCdoB e Guilherme Boulos, do PSOL (Lula/Facebook/Divulgação)

Exame - Já era madrugada desta quinta-feira quando terminou o julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Supremo Tribunal Federal. Por 6 votos a 5, o pedido de liberdade foi negado pela maioria dos ministros e a sessão finalizada às 0h46.


Com o ex-presidente mais perto do que nunca da prisão, onde começaria a cumprir os 12 anos e um mês em regime fechado, chegou a hora de os partidos de esquerda olharem para o futuro.

Lula tem entre 30% e 40% das intenções de voto nas mais diferentes pesquisas de intenção de voto, em parte pela lembrança do eleitorado de seu período de governo.

O petista deixou a Presidência com mais de 80% de bom e ótimo como avaliação de seu governo. Hoje, enfrenta forte rejeição, passando dos 40%.

Sua capacidade de reunir o voto “não-petista” é questionável (ainda mais agora), mas Lula é o único líder capaz de aglutinar em uma única candidatura os partidos de centro-esquerda.

Inelegível pela Lei da Ficha Limpa e, agora, potencialmente preso, sua força de retórica e campanha enfraquecem. Sua capacidade de transferir votos a um apadrinhado também diminui consideravelmente.

Sem uma única figura de liderança, a tendência é de pulverização das candidaturas postas por partidos que seriam seus aliados, como o PDT de Ciro Gomes, o PCdoB de Manuela D’Ávila e o PSOL de Guilherme Boulos.

O ex-líder do PT na Câmara e aliado de Lula, deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP), disse recentemente a EXAME que os partidos mencionados uniram suas fundações para criar programas de governo ao menos parecidos para a campanha de 2018.

Chegou a hora, segundo um grupo de parlamentares, de decidir se uma frente de esquerda é uma alternativa para substituir Lula.

Os mais radicais, que vêm dominando as decisões petistas nos últimos anos, continuam decididos a registrar a candidatura de Lula no Tribunal Superior Eleitoral e, no limite, recorrer ao Supremo. 

Isso alongaria a campanha presidencial de Lula pelo menos até setembro, quando só então o partido caminharia para um plano B, possivelmente Fernando Haddad.

O problema, deste cenário, é enfraquecer a esquerda a ponto de seus candidatos, hoje com quase metade das intenções somadas de votos, ficarem de fora de um segundo turno.

Share on Google Plus

Sobre Santiago Live

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário